Entenda a gripe A H1N1 e quando ocorrerá vacinação!

A gripe A                                                                            

É uma doença respiratória aguda (gripe), causada pelo vírus A (H1N1). Este novo subtipo do vírus da influenza é transmitido de pessoa para pessoa, principalmente por meio da tosse ou espirro e de contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas.  Para saber mais acesse a página do Ministério da Saúde www.saude.gov.br, ou procure um de nossos profissionais de saúde do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix e no Colégio Metodista no Campus Praça da Liberdade – fones: 3244-7240, 3244-7260; email: proreitoria@metodistademinas.edu.br.

Sobre vacinação

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou na quinta-feira, 25 de fevereiro, a ampliação da estratégia de vacinação contra a gripe pandêmica para adultos saudáveis de 30 a 39 anos. A partir de março, em datas distintas, serão vacinados também trabalhadores da saúde, indígenas, gestantes, crianças de seis meses a dois anos incompletos (23 meses), população de 20 a 39 anos e doentes crônicos.A definição das faixas etárias para vacinação consideram os grupos com maior número de hospitalizações e mortes na epidemia de 2009. A maior oferta mundial de vacinas também possibilitou a nova aquisição.

“A inclusão de mais um grupo populacional dentro das prioridades de vacinação contra a gripe pandêmica representa mais 29 milhões de pessoas. Isso significa que estamos começando uma campanha para imunizar, em dois meses e meio, 91 milhões de brasileiros”, ressaltou o ministro. “O Brasil vai enfrentar o seu maior desafio em termos de campanha de vacinação de toda a história do Programa Nacional de Imunização. Esse é um esforço que vai exigir uma forte mobilização para que a população brasileira esteja protegida quando as temperaturas caírem e a segunda onda da gripe pandêmica se aproximar do Hemisfério Sul. Isso é fundamental para enfrentarmos a doença de forma muito mais segura do que no ano passado, quando não tínhamos a vacina”, reforçou o ministro.

O objetivo da campanha é manter os serviços de saúde funcionando e reduzir o número de casos graves e óbitos nos grupos mais vulneráveis. A expectativa é imunizar pelo menos 91 milhões de pessoas contra a gripe pandêmica, além da vacinação de 19 milhões de idosos contra a gripe comum. Uma parte das doses que estão sendo adquiridas contra a influenza pandêmica será reservada para o caso de haver alterações epidemiológicas ao longo do inverno.

Etapas

A primeira fase da vacinação vai ocorrer de 8 A 19 DE MARÇO. Nessa fase, serão imunizados os trabalhadores da rede de atenção à saúde e profissionais envolvidos na resposta à pandemia e a população indígena. Entre os trabalhadores, estão médicos, enfermeiros, recepcionistas, pessoal de limpeza e segurança, motoristas de ambulância e outros profissionais que atuam nas unidades que prestam assistência aos pacientes, equipes de laboratório e profissionais que atuam na investigação epidemiológica. A vacinação dos indígenas abrangerá a totalidade da população que vive em aldeias e será realizada em parceria com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

Entre 22 DE MARÇO E 2 DE ABRIL, a campanha abrangerá grávidas em qualquer período de gestação, pessoas com problemas crônicos (exceto idosos, que serão chamados posteriormente) e crianças de seis meses a dois anos incompletos (23 meses). Na lista, entram doenças do coração, pulmão, fígado, rins e sangue; diabéticos, pessoas com deficiência do sistema imunológico e obesos grau 3.

As gestantes começam a ser imunizadas nesse período e devem tomar a vacina ATÉ 2 DE ABRIL. As mulheres que engravidarem após esse período deverão procurar um posto de saúde até o final da campanha e terão sua vacina garantida. Já as crianças de 6 meses a 2 anos incompletos devem receber meia dose da vacina e, depois de 30 dias, tomarão a outra meia dose.

Adultos de 20 a 29 anos são o público-alvo da terceira fase, que vai de 5 A 23 DE ABRIL. A etapa seguinte, DE 24 DE ABRIL A 7 DE MAIO, coincide com a campanha anual de vacinação contra a gripe comum. Nesse período, os idosos serão imunizados para a influenza sazonal, como ocorre todos os anos. Se tiverem doenças crônicas, receberão também a vacina contra a gripe pandêmica. A estratégia foi elaborada de forma que a população da faixa etária se dirija aos locais de vacinação apenas uma vez.

Prevenção

São mantidas todas as indicações preventivas adotadas no ano passado. Obtivemos grande êxito em nosso programa de controle da epidemia no Instituto Metodista Izabela Hendrix naquele ano e vamos melhorar ainda mais neste ano. Portanto, mantenham os hábitos de cobrir o rosto ao espirrar, lavar as mãos com freqüência, manter os ambientes limpos e arejados, garantir alimentação saudável e hidratação adequada com regularidade. E todos os que pertencem aos grupos indicados devem procurar o serviço de saúde público ou privado para a imunização.

Saúde – o melhor é prevenir!

Márcia Nogueira Amorim

Epidemiologista

Coordenadora do Núcleo de Biociências

Published in: on 12/03/2010 at 0:30  Comments (2)  

EXCLUSÃO DE BIÓLOGOS EM CONCURSOS PÚBLICOS.

Eu, como futura e quase (me formo no final do ano) BIÓLOGA fiquei indignada com esta notícia: Houve a exclusão dos biólogos em vários concursos públicos.

Como a revolta foi grande, foi criada uma petição para ser enviada ao CRBio. É só entrar e assinar.
Repassem ao maior número de biólogos possíveis, por favor.

http://www.petitiononline.com/biologos/

Marilia

Segue o texto da petição:

Conselho Federal de Biologia e Regionais

Nós, biólogos, abaixo assinados, demostramos nossa indignação com a exclusão de nossa profissão em diversos concursos públicos na área ambiental e de educação ambiental (ex: INFRAERO, FUNAI, Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, etc), onde só é permitida a concorrência a Engenheiros.

Diante disto solicitamos maior fiscalização e ação do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais de Biologia no acopanhamento dos concursos públicos que envolvam áreas em que o Biólogo tenha competência para atuar profissionalmente. Ciente do inciso XVI do artigo 22, CF, que determina in litteris: “Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: (…) XVI – organização do sistema nacional de emprego e condições para o exercício de profissões.”, assim como se constitui em função dos Conselhos Regionais de Biologia, assim como do Conselho Federal de Biologia, tomar providências em relação a concursos que excluam a participação de Biólogos, por determinação dos arts. 10 e 12 da Lei 6.684/79: “Art. 10 – Compete ao Conselho Federal: (…) III – Supervisionar a fiscalização do exercício profissional em todo o território nacional; Art. 12 – Compete aos Conselhos Regionais: (…) XII – fiscalizar o exercício profissional na área da sua jurisdição, representando, inclusive, às autoridades competentes, sobre os fatos que apurar e cuja solução ou repressão não seja de sua alçada”.

Esperamos que a profissão do Biólogo seja respeitada e mantida nos pleitos de que ele é parte.

Published in: on 12/03/2010 at 0:18  Comments (2)  
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 993 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: