Descoberta de proteína mutante aumenta chance de se curar leucemia.

Esperança para crianças e adolescentes com um dos tipos mais agressivos da leucemia. A boa notícia vem do interior de São Paulo. Os pesquisadores descobriram uma célula que tem uma reação, a qual os pesquisadores querem conhecer, com isso, desenvolver remédios que funcionam melhor no tratamento.

Rafael tem 2 anos e meio. Está no fim do tratamento contra a leucemia mas os pais ainda não estão tranquilos. “Preocupa muito sobre o que vai ser do futuro. A gente sabe que hoje ele não é mais uma criança doente, mas não sabemos até quando”, diz Tatiana Costa, mãe do Rafael.

A segurança que ele precisa pode estar em um laboratório. Ao analisar o sangue de pacientes com leucemia do tipo linfóide aguda, pesquisadores do Centro Boldrini de Campinas descobriram a mutação de uma substância apontada como uma das causas da doença.

No corpo humano existem várias proteínas na superfície das células. Em pessoas saudáveis, uma delas, chamada IL7R, estimula o desenvolvimento de moléculas que ativam o núcleo das células, fundamentais para nosso desenvolvimento. A descoberta mostra que, na pessoa com leucemia, essa proteína transformada provoca a multiplicação desordenada das moléculas. “A gente encontrou uma mutação em um gene que causa hiperativação daquela célula. Ela fica proliferando e não para nunca”, explica José Andrés Yunes, pesquisador do Centro Boldrini.

A pesquisa levou cinco anos para ser concluída e envolveu estudos na Holanda, Portugal, Estados Unidos e Brasil. Cerca de 200 crianças foram analisadas. “Essa mutação por si só não é responsável pelo câncer, mas o que nós identificamos é que ela pode estar ajudando ao surgimento da leucemia”, afirma a bióloga Priscila Zenatti.

A leucemia do tipo linfóide aguda é a forma mais comum de câncer entre crianças. atingindo um terço dos pacientes. Com a descoberta dessa proteína mutante, vai ser possível monitorar o tratamento dos doentes de forma mais precisa, o que aumenta as chances de cura. “A longo prazo, nós estamos tentando desenvolver anticorpos que reconhecem especificamente células portadoras da mutação de forma a minimizar os efeitos colaterais causados pela quimioterapia que reconhece de forma generalizada tanto as células doentes quanto as células normais”, acrescenta a bióloga Priscila Zenatti.

Aos 16 anos, Rangel está curado de uma leucemia, mas a cada três meses retorna ao hospital para ter certeza do diagnóstico. Para a mãe, a pesquisa pode reduzir o sofrimento de outras famílias. “É uma esperança muito grande para quem vai passar o que eu já passei com meu filho”, diz a mãe de Rangel.

“A esperança é grande ferramenta que os pais que a criança e nós, médicos, temos para enfrentar a questão da leucemia”, afirma Silva Brandalise, diretora do Centro Boldrini.

A expectativa é que a descoberta ajude a criar um novo medicamento para a doença em até cinco anos.

Texto retirado do site G1.

About these ads

The URI to TrackBack this entry is: http://mariliaescobar.wordpress.com/2011/09/24/descoberta-de-proteina-mutante-aumenta-chance-de-se-curar-leucemia/trackback/

Feed RSS para comentários sobre este post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 988 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: