Um quinto dos animais vertebrados da Terra pode desaparecer.

Estudo com a participação de 174 pesquisadores de diversas instituições concluiu que uma em cada cinco espécies de vertebrados está ameaçada de extinção no mundo. E, pior, a taxa tem aumentado: no período de 1980 a 2008, em média 52 espécies de mamíferos, aves e anfíbios se moveram para uma categoria mais próxima da extinção a cada ano.

As principais causas para a perda de espécies são a expansão da agricultura, a exploração de madeira e a introdução de espécies invasoras que acabam competindo com as nativas. “A espinha dorsal da biodiversidade está sendo corroída. Um pequeno passo dentro da Lista Vermelha é um salto de gigante rumo à extinção”, disse Edward O. Wilson, um dos mais reconhecidos biólogos da atualidade, da Universidade Harvard. As espécies estudadas constam da chamada Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). As categorias da lista são: menos preocupante, quase ameaçado, vulnerável, em perigo, criticamente em perigo, extinto na natureza e extinto (até em cativeiro).

Apesar de refletir a crise atual da biodiversidade, o documento, publicado na revista “Science”, serve para encorajar os esforços de conservação. De 25.780 espécies analisadas, 64 – entre mamíferos, aves e anfíbios – tiveram melhora no status graças a ações realizadas por governos ou ONGs. “Mostramos que os esforços não são em vão. As ações de conservação estão fazendo a diferença. O que é preciso agora é aumentar o investimento”, disse Ana Rodrigues, uma das autoras do estudo, do Centro de Ecologia Funcional e Evolutiva, da França. Ela diz que a criação de unidades de conservação na Mata Atlântica permitiu evitar perda de hábitat e controlar atividades de caça – possibilitando que espécies como o mico-leão-dourado e o papagaio-de-cara-roxa não desaparecessem. Outro exemplo é a moratória para a caça de baleias, que garantiu a recuperação da baleia-azul.

Japão promete US$ 2 bilhões para proteger biodiversidade—.

O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, anunciou ontem que o Japão doará US$ 2 bilhões nos próximos três anos aos países em desenvolvimento para proteger a biodiversidade, uma iniciativa saudada pelo Brasil, porta-voz dessas nações. “Vamos lançar uma iniciativa para apoiar os esforços dos países em desenvolvimento, para que elaborem suas estratégias nacionais e as apliquem”, disse Kan, na 10ª Conferência do Convênio sobre a Diversidade Biológica, em Nagoya.
A questão da ajuda financeira aos países em desenvolvimento é um dos pontos-chave do encontro. Os outros temas cruciais são a instituição de metas globais para 2020 (percentual de áreas protegidas, por exemplo) e a aprovação de um acordo sobre as condições de acesso das indústrias do Hemisfério Norte aos recursos genéticos dos países do sul.

Risco maior
Anfíbios. O estudo aponta que os anfíbios estão em “situação calamitosa”, por serem particularmente sensíveis à perda de hábitat e à degradação do ecossistema.

Texto retirado do jornal O Tempo.

Anúncios
Published in: on 31/10/2010 at 20:33  Comments (2)  

Encalhe de Baleias: O que podemos e o que não devemos fazer?

Por Marcelo Szpilman*


A notícia abaixo, divulgada no Globo Online, soma-se a tantas outras que vem comovendo as pessoas e promovendo calorosos debates em torno dessa questão.

Baleia encalha na praia de Geribá, em Búzios

RIO (25/10/10) – Uma baleia jubarte, com cerca de 15 metros e 30 toneladas, está encalhada desde o início da tarde na Praia de Geribá, em Búzios, a cerca de dez metros da areia.

Segundo o fotógrafo Sérgio Quissak, que está no local, a baleia está muito agitada. Duas traineiras de grande porte estão tentando puxar a baleia para alto mar, mas ainda não tiveram sucesso. Cerca de 300 pessoas acompanham o resgate dajubarte.

– No Brasil não temos equipamento adequado para puxar uma baleia deste porte. Além disso, ao que tudo indica, ela já chegou debilitada na praia. Está se fazendo o possível para salvar a baleia, mas é uma operação muito difícil – disse o prefeitoMirinho Braga, que comanda a equipe da prefeitura que tenta salvar a baleia.

A visão do triste espetáculo da baleia encalhada costuma provocar em nós a ânsia de ajudá-la e, quem sabe, até salvá-la da morte. E não é difícil explicar as correntes humanas que se formam para ajudar esses cetáceos ou as aglomerações comovidas pela impotência diante do sofrimento do animal. Mas, diferente do que gostaríamos, esse é um evento da natureza sobre o qual o homem pouco pode interceder.

Dos esporádicos casos de encalhes de grandes cetáceos vivos acontecidos nos últimos 20 anos, muito poucos resultaram em desencalhe. Ainda assim, grande parte do êxito nesses poucos casos de sucesso deve-se quase que exclusivamente às condições da maré e da praia em que o animal encalhou. Ou seja, a interferência do homem não faz parte dos fatores que ditam a sorte da baleia encalhada.

Pode-se empurrar ou puxar uma baleia encalhada?

Como ainda não existem equipamentos adequados, as bem intencionadas manobras para empurrar ou puxar o animal resultarão em inócuas tentativas improvisadas de resgate, estresse ou mesmo danos à sua estrutura corporal. Quem frequenta a praia sabe que um homem adulto de 80 kg sentado na areia na beira da água cria um buraco e afunda na medida em que as ondas batem. Nessas circunstâncias, empurrar ou puxar, na tentativa de “desencalhar” essa pessoa, não são as melhoras medidas, mas sim levantá-la. Com uma baleia pesando dezenas de toneladas e sem nenhuma intenção de ajudar, é impossível arrastar ou levantar.

O que podemos fazer?

A melhor ajuda que podemos dar a uma baleia encalhada é isolar a área para que os curiosos e bem intencionados não atrapalhem ou machuquem o animal. Com raras exceções, somente a sorte e a própria natureza podem interceder a favor da baleia nesse momento. Somente ela poderá tentar desencalhar-se sozinha. Se não conseguir desencalhar-se em até 24 horas, o enorme estresse e os danos provocados em sua estrutura física e em sua fisiologia, que não foram projetados para suportar tamanho peso e compressão fora d’água, passam a determinar seu fim. Quando o animal encalha na maré alta, seu desencalhe é praticamente impossível __ caso da baleia que encalhou ontem em Geribá.

Porque as baleias encalham?

As causas naturais do encalhe de baleias podem ser as mais variadas, indo de doenças que provocam problemas no senso espacial a equívocos ou inexperiência no cerco de um cardume de sardinhas. Contudo, não podemos nos esquecer que o encalhe de baleias sempre foi e sempre será um evento incomum da natureza do qual os homens não participam.

Porque houve aumento de encalhe de baleias?

O aumento do número de baleias encalhadas, curiosamente, tem a ver com o aumento das populações de baleias no litoral brasileiro. Graças à proibição da pesca da baleia e ao excelente trabalho de proteção e preservação que vem sendo realizado há mais de 18 anos pelo Projeto Baleia Jubarte e pelo Projeto Baleia Franca, a quantidade de baleias que hoje nadam ao longo do nosso litoral em suas rotas migratórias aumentou bastante, o que também aumentam as chances de um encalhe.

Instituto Ecológico Aqualung

Tels: (21) 2558-3428 ou 2558-3429 ou 2556-5030
E-mail:  instaqua@uol.com.br
Site: http://www.institutoaqualung.com.br

Published in: on 31/10/2010 at 18:32  Deixe um comentário  

IV Seminário sobre ética e direito animal em SP.

OBS: Para uma melhor visualização da foto, clique nela.

Recebido pelo InfoSentiens.

Published in: on 31/10/2010 at 18:11  Deixe um comentário  

Rodeios são proibidos em Nova Friburgo/RJ

Li o email abaixo com muita felicidade. Mais uma cidade aprova lei de proibição de rodeios.


Nova Friburgo, na região serrana do RJ, entra para uma lista cada vez maior de cidades que repudiam esta atividade. No último dia 19/10, a Câmara Municipal aprovou o Projeto de Lei 004/10 de autoria do vereador Manoel Martins que proíbe “rodeios, touradas ou eventos similares que envolvam maus-tratos e crueldades de animais” naquela cidade.

Conheça o texto do PL e da justificativa:

Texto recebido pelo InfoSentiens.

Published in: on 31/10/2010 at 18:01  Deixe um comentário  

Curso de criminalística e locais de crime

Os peritos criminais trabalham em todo o tipo de crime que deixe vestígios. Seu papel é investigar a partir destes vestígios e encontrar relações com o delito, a fim de descobrir como o mesmo ocorreu e identificar seus autores, por isso a Criminalística é conhecida como uma ciência auxiliar do Direito Penal.  O curso abordará as atividades realizadas por  tais peritos como: chegada ao local do crime; analise minuciosamente de todas as evidências e possíveis provas técnicas e ainda contará com discussões de casos aproximando mais ainda os alunos da atividade de um perito criminal.

Local: HOTEL NORMANDY – Rua dos Tamoios, 212 – Centro – Belo Horizonte – MG

PUBLICO ALVO

Estudantes e Profissionais das áreas de Farmácia e Bioquímica; Ciências Biológicas, Biomedicina, Biotecnologia, Enfermagem, Medicina, Direito e demais interessados.

PROGRAMAÇÃO

  • HISTÓRIA DA CRIMINALÍSTICA E METODOLOGIA
  • VESTÍGIOS EM CRIMINALÍSTICA
  • INTERAÇÃO DOS PERITOS E AGENTES POLICIAIS;
  • IMPORTÂNCIA DO LOCAL DO CRIME E SUA PRESERVAÇÃO;
  • CLASSIFICAÇÃO DOS LOCAIS DE CRIMES;
  • TIPOS DE IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL: PAPILOSCOPIA, HEMATOLOGIA, IRISCOPIA, ANTROPOLOGIA, PILOSCOPIA E ODONTO FORENSE;
  • ESTUDOS DE CASOS DE INVESTIGAÇÃO DE CENAS DE CRIME;
  • COLETA DE EVIDÊNCIAS FORENSES;
  • DINÂMICA SOBRE EVIDÊNCIAS FORENSES.

PALESTRANTE

• Dra. Célia Corrigliano: Perita Criminal de 1a. classe / Núcleo de Toxicologia Forense / Centro de Exames Análise  e Perícias / Instituto Médico-Legal / Superintendência de Policia Técnico-Científica / Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo.

INVESTIMENTO

Profissionais……………………………………………R$ 150,00 (Pago em 2 vezes)*

Estudantes ……………………………………………..R$ 100,00 (Pago em 2 vezes)*

* Desconto para Grupos de 5 estudantes (R$ 80,00 cada) e Grupos de 3 Profissionais (R$ 120,00 cada)*

Como se inscrever:

• Preencher ficha de inscrição on-line (www.renovacursos.com.br) ;

Published in: on 31/10/2010 at 17:44  Comments (4)  

Pular o café da manhã faz mal para o coração.

Quem sai de casa sem tomar café da manhã tem um risco maior de desenvolver doenças cardíacas graves, aponta um estudo norte-americano divulgado nesta semana.

A chance é grande porque sair de casa logo cedo de estômago vazio aumenta os riscos de obesidade, causa um acúmulo de gordura ao redor do estômago e eleva dos níveis de colesterol ruim – fatores que podem levar a futuros problemas no coração.

Além disso, pular a primeira refeição importante do dia pode aumentar as taxas de insulina no sangue, o que pode resultar em diabetes. De acordo com os cientistas, o grupo de risco é formado por adultos que mantêm o hábito de não tomar café da manhã desde a infância – o que significa que, aos 20 anos, a pessoa já começaria a trilhar o caminho rumo a futuras doenças.

Os pesquisadores traçaram um perfil dessas pessoas mais vulneráveis e constataram que o fato de sair de casa sem se alimentar faz com que elas se tornem mais propícias a comer petiscos e doces ao longo do dia e menos adeptas à prática de exercícios físicos e ao consumo de fibras, vitaminas e minerais. “Pular o café da manhã é a marca de um estilo de vida nada saudável e caótico”, enfatiza a nutricionista Catherine Collins, que fez parte do estudo.

Texto retirado do Jornal O Tempo.

Published in: on 30/10/2010 at 9:33  Comments (1)  

Brasil descobriu uma nova espécie a cada 3 dias na última década.

A enorme biodiversidade da Amazônia é velha conhecida dos cientistas, mas, agora, eles estão mais próximos de quantificá-la. Um novo relatório mostra que, entre 1999 e 2009, foram registradas 1.222 novas espécies na região – o equivalente a um novo achado a cada três dias. Isso significa que, sozinha, a floresta amazônica revelou mais espécies do que a soma de outros biomas reconhecidamente biodiversos, como Bornéu e a bacia do rio Congo.

Entre as novidades estão tipos de piranhas, macacos, papagaios, sapos, um boto-cor-de-rosa e até uma gigantesca sucuri. Os dados estão no relatório “Amazônia Viva!”, lançado pela ONG WWF.

O documento compila dados de oito países e da Guiana Francesa (território francês), locais por onde se estende o bioma amazônico. O resultado só considera os vertebrados. De acordo com o relatório, “milhares de invertebrados documentados” ficaram de fora.

“O número impressionante de descobertas mostra que, se aumentarmos o esforço de pesquisa, temos potencial para localizar ainda mais espécies”, afirma Mauro Armelin, coordenador da WWF.

O Brasil destacou-se com seus primatas. Das sete novas espécies, seis estão em território nacional. Contando com eles, foram registrados 39 mamíferos. Na Bolívia, foram encontradas novas espécies de botos, que se distinguiriam de seus “parentes” brasileiros por ter corpo e cabeça menores, além de mais dentes.

As plantas são responsáveis pela maior parte das descobertas: 637 na última década. Os peixes vêm atrás, com 257 novos registros. Também foram contabilizados 216 anfíbios, 55 répteis e outras 16 aves.

Apesar de recém-descobertas, muitas das novas espécies já estão em perigo. A pressão da agricultura, a expansão da pecuária e a construção de grandes hidrelétricas na região ameaçam o habitat de espécies que dependem de um frágil equilíbrio para sobreviver.

País pede acordo contra biopirataria

A ministra do Meio Ambiente do Brasil, Izabella Teixeira, disse ontem em uma conferência da ONU que a preservação da biodiversidade depende da negociação de um acordo para acabar com a biopirataria nos países em desenvolvimento.

Para Teixeira, garantir um acordo vinculante que acabe com a “biopirataria” é indispensável para que se alcance um pacto mais amplo nas negociações, que acontecem esta semana no Japão. “Para nós, é inaceitável que ainda não tenhamos uma legislação formal”, disse a ministra brasileira.

Texto retirado do jornal O Tempo.

Faça você também xixi no banho!

Amigos,

Encontrei este vídeo no blog Território Animal e adorei!

Quando fazemos xixi no banho, economizamos 12 litros de água que seriam utilizados em uma descarga. E outra, o box não fica com cheirinho ruim porque a água que você limpa o sabão do corpo leva todo o xixi pelo ralo.

São idéias simples e que ajudam no desperdício de água!!

Site: Xixi no Banho

Atitudes Corretas e Responsáveis em Favor da Natureza: A Educação Fazendo a Diferença.

Por Marcelo Szpilman

Aquecimento global, desertificação, desmatamento, pesca predatória, poluição, perda de biodiversidade e escassez de água. Quem já não ouviu falar destes problemas?

Não é de hoje que vemos estes temas tratados diariamente na mídia. E isso geralmente nos trás um sentimento de impotência diante da sensação de que nada podemos fazer de forma individual. Mas é um engano.

Excetuando quesitos globais, muitas questões podem sofrer interferências locais. Ou seja, nossas ações individuais, que não requerem grande esforço para serem colocadas em prática, podem fazer diferença.

Que tal começarmos com três atitudes simples de educação e consciência que podem facilmente ser assumidas por todos?

1 – Evite o desperdício de água em sua casa

Ações simples e diárias, que dependem apenas da sua conscientização, podem racionalizar o desperdício e proporcionar grande economia de água. Veja os exemplos abaixo.

Escovar os dentes – Fechar a torneira enquanto se escova os dentes, usando a água de um copo para enxaguá-los, pode proporcionar uma economia de até 11 litros.

Barbear – Fechar a torneira enquanto a água não estiver sendo utilizada para lavar as lâminas pode proporcionar uma economia de até 10 litros.

Tomar banho – Fechar o chuveiro enquanto se ensaboa corpo e cabelos, diminuindo o tempo de banho a 10 minutos no máximo, pode proporcionar uma economia de até 90 litros.

Ou seja, com ações simples como essas você pode economizar mais de 100 litros de água por dia em sua casa. Pense nisso!

2 – Não jogue lixo na praia

Todos nós gostamos de frequentar uma praia limpa com a areia branquinha, mas poucos sabem que mantê-la limpa vai além do aspecto puramente visual.

Canudinhos, pontas de cigarro, tampinhas e sacos plásticos descartados de forma incorreta poluem os oceanos e podem provocar uma significativa mortandade de inocentes animais marinhos.

Na próxima vez que for à praia, seja educado e consciente. Não custa nada levar um saco plástico para jogar seu próprio lixo e quando for embora levá-lo com você para ser descartado corretamente na lixeira.

3 – Seja um consumidor responsável

Se você soubesse que as maças estão acabando, não trocaria seu consumo por outras frutas?

Pois é, existem diversas espécies de peixes e cações que estão acabando e sua não extinção depende de ações simples e imediatas de consumo responsável.

A conscientização dos consumidores pode contribuir para a queda na demanda e no comércio. Basta parar de consumir essas espécies e substituí-las por outros peixes marinhos, por peixes de água-doce provenientes de criações sustentáveis, como salmão, truta, tambaqui e tilápia, ou por outros tipos de carne.

 

Espécies de peixes marinhos que devem ser evitadas e aquelas que estão livres para o consumo.

Usando como referência a Lista Nacional do IBAMA e da IUCN (União Internacional para Conservação da Natureza), temos três situações:

1 – Espécies que NÃO PODEM E NÃO DEVEM SER CONSUMIDAS

Entre os peixes comercais famosos, temos: cação-anjo, raia-viola, peixe-serra, surubim, cioba, badejo-tigre e mero.

Obs: 12 espécies de tubarões/raias e 145 espécies de peixes constam no Anexo I do IBAMA como espécies ameaçadas de extinção, com alto risco de desaparecimento na natureza em um futuro próximo.

Obs: Apesar de estar no Anexo II, o mero é a única espécie brasileira protegida e proibida de ser capturada.

Obs: EVITE o famoso filé de viola, pois muitas peixarias comercializam o filé do cação-anjo como se fosse o filé da raia-viola. E ambos estão seriamente ameaçados.

2 – Espécies que DEVERIAM SER EVITADAS

Entre os peixes comercais famosos, temos: atum, badejo, cherne, corvina, enchova, garoupa, merluza, namorado, pargo, pescadinha-foguete, sardinha-verdadeira, tainha e vermelho.

Com relação aos tubarões (ou cações), o ideal seria que pudéssemos evitar somente o consumo das 38 espécies que hoje estão ameaçadas de extinção, como o cação-anjo, a mangona e os tubarões-martelo, mas infelizmente isso não é possível. Não há como “carimbar” a carne de cação proveniente das espécies não ameaçadas. Assim, o correto é cessar o consumo geral de toda a carne de cação.

Obs: Fora as lagostas e camarões, 6 espécies de tubarões e 31 espécies de peixes constam no Anexo II do IBAMA como espécies sobrepescadas (cuja condição de captura é tão elevada que reduz o potencial de desova e as capturas no futuro) ou como espécie ameaçada desobrepesca.

 

3 – Espécies LIBERADAS PARA O CONSUMO

Entre os peixes comerciais famosos liberados temos: abrótea, agulha, albacora, batata, baúna, bicuda, bijupirá, bonito, caranha, carapeba, castanha, cavala, cavalinha, cocoroca, congro, congro-rosa, dourado, galo, linguado, manjuba,michole, olhete, olho-de-cão, pampo, peixe-espada, pescada, piranjica, piraúna, robalo, sororoca, tira-vira, trilha, xáreu, xerelete e xixarro.

Texto recebido por email pelo Instituto Ecológico Aqualung.

Published in: on 24/10/2010 at 15:38  Comments (1)  

DOG’S TREKKING 3

Uma ótima dica para curtir a natureza com seu amigão é este passeio promovido pelo Turismo 4 patas. Seguem informações. APROVEITEM!!

Se você gosta da tranquilidade e do convívio com a natureza, não pode perder este evento! O Portal Turismo 4 Patas, realizará a terceira edição do “Dog’s Trekking”.

O evento acontecerá nos dias 30 e 31/10 (com possibilidade de extensão para o feriado do dia 02/11), em Natividade da Serra (SP), localizada no litoral de Caraguatatuba, a cerca de 180km da capital paulista. Presenteada com cachoeiras pitorescas e uma natureza abundante a área é bastante preservada e com muitos atrativos para o turismo ecológico.

Refugiado entre as montanhas em plena Mata Atlântica, águas cristalinas de cachoeiras e a Represa de Paraíbuna, encontra-se o Fazenda Hotel Santa Ritaque receberá o nosso grupo de forma simples e bastante acolhedora. No hotel, a vista panorâmica que se contempla do alto da serra deslumbra humanos e peludos num piscar de olhos.

Nosso final de semana será recheado de caminhadas por trilhas abertas e fechadas, desfrutando do contato com a natureza e, refrescantes banhos em piscinas naturais e cachoeiras. As cascatas mais suaves tornam-se um atrativo para quem gosta de curtir emoções mais leves.

Na programação do evento a Trilha da Piscina Natural, levará o grupo até a Cachoeira dos Martins, observando, durante todo o percurso a vegetação nativa repleta de Brombélias, orquídeas e outras plantas da região, margeando o Rio dos Martins até chegar a piscina natural. Já a Trilha da Cachoeira do Alemão, os levará por entre pequenos sítios onde conhecerão uma ponte de Pedras dos antigos Trilhos Ferro e em cerca de 2hs de caminhada chegarão a uma lindíssima cachoeira bem no meio da Mata Atlântica, com pausa para descansar e relaxar nas águas cristalinas.

Texto retirado do site Turismo 4 patas.

Published in: on 23/10/2010 at 22:27  Deixe um comentário  
%d blogueiros gostam disto: