Seis espécies de rãs supostamente extintas são encontradas no Haiti.

Seis espécies de rãs nativas do Haiti, que os cientistas acreditavam extintas há mais de 20 anos, foram achadas na selva tropical do país, anunciaram especialistas americanos.

Membros da organização privada americana de preservação das espécies, a Conservação Internacional (CI), e do Grupo de Especialistas em Anfíbios (ASG) informaram que as rãs foram descobertas durante uma expedição em outubro.

Os cientistas exploravam uma remota zona montanhosa no sudoeste do Haiti liberados por Robin Moore, o especialista em anfíbios da ASG.

Um dos principais objetivos desta expedição era encontra a rã Eleutherodactylus glanduliferoides, que não era vista há mais de 25 anos, e fazer uma avaliação das populações de muitas das outras 48 espécies de anfíbios específicas do Haiti.

Os especialistas não acharam rã que buscavam, mas encontraram seis espécies que acreditavam desaparecidas, como a conhecida como “Rã de Mozart” (E. Amadeus), que deve seu nome aos sons que emite parecidos com notas musicais.

Além disso, os ambientalistas acharam a “rã ventrílocua de Hispaniola” (E. dolomedes), a “rã das glândulas campainha” (E. glandulifera), caracterizada por seus excepcionais olhos azul safira, e a “Macaya manchada” (E. thorectes), que, com 1,51 cm, é uma das menores rãs do mundo.

Também encontraram a “Hispaniolana coroada” (E. Corona) e a “Macaya buraqueira” (E. parapelates), espetacular com seus grandes olhos negros e manchas brilhantes de cor laranja na coxas.

Texto retirado do site G1.

Anúncios
Published in: on 30/01/2011 at 21:51  Deixe um comentário  

Suplemento alimentar pode aliviar sintomas da TPM, diz estudo.

O fim da tensão pré-menstrual (TPM) pode estar mais próximo. Um estudo feito pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) renova a esperança de quem convive com o problema. Segundo os pesquisadores, ingerir uma cápsula de ácidos graxos por dia é capaz de reduzir em mais da metade os sintomas.

Os ácidos graxos são um tipo de gordura essencial para o organismo, mas não são produzidos pelo corpo humano. Estão presentes em quantidade reduzida em alimentos como peixes, óleos de linhaça, de fígado e de bacalhau. Por isso, alguns médicos os recomendam em forma de suplemento na dieta.

Participaram do estudo 120 mulheres entre 17 e 37 anos diagnosticadas com o problema. Elas foram acompanhadas durante oito meses: dois antes do início do tratamento e seis durante a ingestão das cápsulas. Um grupo recebeu uma pílula com 1 grama de ácidos graxos, outro recebeu 2 gramas e o terceiro tomou placebo. Além disso, diariamente as voluntárias preenchiam uma escala de marcadores para descrever a intensidade dos sintomas.

Ao final do período, todos os grupos tiveram melhora, sem apresentar alteração nos níveis de colesterol: o primeiro grupo afirmou ter reduzido os sintomas em 64%, o segundo grupo em 74% e o terceiro, em 16%. “Os primeiros sinais de melhora surgiram depois de três meses e não houve relato de efeitos colaterais”, afirmou Edilberto Rocha Filho, autor do estudo e médico-assistente do Departamento de Ginecologia da UFPE. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.

Texto retirado do site G1.

Published in: on 30/01/2011 at 21:46  Comments (2)  

País forma 53 mil pesquisadores por ano.

Segundo dados do balanço final do Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação, feito pelo governo federal, só em 2010, 12 mil pesquisadores receberam o título de doutor e 41 mil, o de mestre. O documento compila informações de vários órgãos ligados à pesquisa no país e avalia o resultado de um plano de investimento lançado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia em 2007.

Nos últimos 10 anos, dobrou o número de mestres e doutores titulados no Brasil. De 2001 a 2010, a quantidade de pesquisadores formados por ano no país passou de 26 mil para cerca de 53 mil, segundo a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Só em 2009, 161 mil estudantes estavam matriculados em programas de mestrado e doutorado de universidades brasileiras. O número equivale a 90% da soma dos mestres e doutores titulados no país de 2003 até 2009.

Nos mesmos dez anos, o número de cursos de pós-graduação no país também cresceu: em 2001, eram 1,5 mil; em 2009, 2,7 mil. Há quase 1,5 mil programas de mestrado ou doutorado nas universidades federais.

“Esses números são extremamente significativos”, afirmou o pró-reitor de Pós-Graduação da Universidade de São Paulo (USP), Vahan Agopyan. “Para padrões latino-americanos, é um crescimento muito grande. Mas ainda temos que avançar”, ponderou.

Texto retirado do jornal O Tempo.

Published in: on 26/01/2011 at 18:06  Deixe um comentário  

Carroceiro é condenado pelo Juizado de São José dos Campos por maus-tratos a um cavalo.

O juiz Marcos Alexandre Bronzatto Pagan condenou, no Juizado Especial Criminal de São José dos Campos, o carroceiro Edgard Fernandes da Silva por crime de abuso e maus-tratos a um cavalo alazão (artigo 32 da Lei 9.605/98), fixando a pena em 20 dias-multa e decretando a retirada do animal da posse do infrator.

A denúncia havia sido oferecida pelo promotor Laerte Levai – que também é colunista da ANDA – depois de colher o depoimento de três testemunhas, tendo uma delas filmado o indiciado forçando seu cavalo a movimentar uma carroça carregada de entulho, mediante chibatadas, em uma ladeira.

A situação abusiva foi confirmada, nos autos, pela zootecnista Juliana Lisboa, que forneceu laudo à promotoria. Após o início do processo o réu desapareceu e tornou-se revel, desfazendo-se do cavalo. A partir daí numerosas diligências foram feitas para encontrar o animal, sem êxito.

No fim de 2010 a Prefeitura de São José dos Campos conseguiu localizar o cavalo, que foi encaminhado ao CCZ para ser submetido a exames laboratoriais.

Pretende-se, em seguida, encaminhar o cavalo para um haras da região, onde ele viverá o resto de sua vida em liberdade. Como o processo (n. 577.09.776418-9/JECRIM de São José dos Campos) já transitou em julgado, essa decisão judicial transformou-se em jurisprudência e pode ser invocada em outros casos semelhantes.

Texto recebido pelo InfoSentiens.

Published in: on 21/01/2011 at 18:49  Deixe um comentário  

“Tubarão-branco ataca barco de pescadores!” – Verdade ou Sensacionalismo?

Por Marcelo Szpilman*

A notícia “Tubarão-branco ataca barco de pescadores na Austrália”, com exibição do vídeo (veja link abaixo), estava na primeira página do Globo Online de hoje (05/01/11), como devia estar nas primeiras páginas de diversos veículos de mídia online do mundo todo. Tubarões e seus pretensos ataques são sempre campeões de audiência.

Confesso que a manchete acima tem o incrível poder de chamar a atenção, mas deve-se consumi-la com calma. É preciso esclarecer que o tubarão-branco, ainda que esteja envolvido em eventuais acidentes com o homem, não ataca embarcações deliberadamente. Como grande oportunista que é, deve ter sido atraído pela movimentação e cheiros na água produzidos pela faina dos pescadores, como as iscas utilizadas e os peixes capturados, ou mesmo pelo sangue e outros fluidos dos peixes capturados que podem ficar impregnados no costado do barco no momento em que são dominados e embarcados. Nesse caso, uma mordida investigatória na embarcação pode até ter ocorrido, como é dito na reportagem, pois o tubarão-branco estaria apenas investigando e provando, com sua boca e dentes, a fonte dos sinais que o atraíram. Nada além disso.

Mergulho com tubarões ao redor do mundo, incluindo o grande tubarão-branco, com o objetivo de mostrar ser possível interagir de forma amistosa com esses seres fantásticos. E um dos objetivos é desmitificar e apagar a errônea imagem de “comedor de homens”, como a que foi imputada na década de 1970 ao tubarão-branco pelo blockbuster Tubarão. O filme passou a distorcida ideia de que o tubarão-branco é um animal perverso e sanguinário que tem o homem como alvo principal. A irreal imagem da vítima humana mastigada pelos enormes dentes triangulares foi tão forte e negativa que os tubarões-brancos ficaram estigmatizados no imaginário coletivo como os assassinos dos mares.

Mas pense bem. Atualmente, ocorrem no máximo 70 ataques de tubarão por ano no mundo todo. E desses, somente 6 são atribuídos aos grandes brancos. Estatísticas da FAO (órgão das Nações Unidas) estimam que mais de 100 milhões de tubarões são capturados e mortos anualmente em todos os oceanos. Quem são os verdadeiros assassinos dos mares?

A notícia e o vídeo sobre o pretenso ataque podem ser vistos através do link abaixo.

http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2011/01/05/tubarao-branco-ataca-barco-de-pescadores-na-costa-da-australia-923426690.asp

No link abaixo você poderá ver outro filme com imagens captadas por mim na ilha de Guadalupe (Pacífico), quando um grande tubarão-branco decidiu dar um show de interação. É claro que você não encontrará esse filme divulgado nas primeiras páginas dos veículos de mídia online do mundo. E as razões são óbvias. Mostrar que os tubarões são animais calmos e previsíveis não dá Ibope!

Jornal O Globo (24/02/10 – Ciência) veiculou a excelente matéria “Monstro dos Mares em Perigo”, abordando o declínio na população do tubarão-branco.

Essa matéria pode ser vista no GLOBO ONLINE através do link abaixo:

http://oglobo.globo.com/ciencia/mat/2010/02/23/populacao-do-tubarao-branco-sofre-declinio-915923291.asp

Proteger os tubarões é proteger a vida, é proteger a nós mesmos! Tome uma atitude correta em favor da Natureza.

Instituto Ecológico Aqualung
Site: http://www.institutoaqualung.com.br

Published in: on 21/01/2011 at 18:46  Deixe um comentário  

TVE deixa de transmitir tourada, e considera-a “violência contra animais”.

Estocada de morte nas corridas de touros em Espanha? A TVE, canal estatal espanhol, decidiu deixar de transmitir touradas, espectáculo que no novo Manual de estilo da estação surge catalogado como «violência contra animais».

De acordo com o documento entregue à comissão de Controlo do Congresso e do Senado, a RTVE «não vai transmitir corridas de touro», uma vez que os seus horários «coincidem com o horário protegido ou de especial protecção da infância».

Apesar de admitir que não transmitirá touradas para evitar que as crianças sofram de ansiedade, o canal estatal espanhol garante que não é indiferente à importância da tourada, espectáculo com muitos aficionados em Espanha.

Assim, a TVE vai apostar no acompanhamento informativo de «aspetos artísticos, literários, ambientais e sociais», sobre a tauromaquia.

Fora da exclusão de transmissões estão as festas de San Fermín, nas quais são libertados touros nas ruas de Pamplona.

Texto recebido pelo InfoSentiens.

Published in: on 21/01/2011 at 18:37  Deixe um comentário  

Desastre ecológico: Complexo Hidrelétrico de Belo Monte.

Caros amigos,

O Presidente do IBAMA se demitiu a alguns dias, devido à pressão para autorizar a licença ambiental de um projeto que especialistas consideram um completo desastre ecológico: o Complexo Hidrelétrico de Belo Monte.

A mega usina de Belo Monte iria cavar um buraco maior que o Canal do Panamá no coração da Amazônia, alagando uma área imensa de floresta e expulsando milhares de indígenas da região. As empresas que irão lucrar com a barragem estão tentando atropelar as leis ambientais para começar as obras em poucas semanas.

A mudança de Presidência do IBAMA poderá abrir caminho para a concessão da licença – ou, se nós nos manifestarmos urgentemente, poderá marcar uma virada nesta história. Vamos aproveitar a oportunidade para dar uma escolha para a Presidente Dilma no seu pouco tempo de Presidência: chegou a hora de colocar as pessoas e o planeta em primeiro lugar. Assine a petição de emergência para Dilma parar Belo Monte – ela será entregue em Brasília, quando conseguirmos 150.000 assinaturas:

https://secure.avaaz.org/po/pare_belo_monte/?vl

Abelardo Bayama Azevedo, que renunciou à Presidência do IBAMA, não é a primeira renúncia causada pela pressão para construir Belo Monte. Seu antecessor, Roberto Messias, também renunciou pelo mesmo motivo ano passado, e a própria Marina Silva também renunciou ao Ministério do Meio Ambiente por desafiar Belo Monte.

A Eletronorte, empresa que mais irá lucrar com Belo Monte, está demandando que o IBAMA libere a licença ambiental para começar as obras mesmo com o projeto apresentando graves irregularidades. Porém, em uma democracia, os interesses financeiros não podem passar por cima das proteções ambientais legais – ao menos não sem comprarem uma briga.

A hidrelétrica iria inundar 100.000 hectares da floresta, impactar centenas de quilômetros do Rio Xingu e expulsar mais de 40.000 pessoas, incluindo comunidades indígenas de várias etnias que dependem do Xingu para sua sobrevivência. O projeto de R$30 bilhões é tão economicamente arriscado que o governo precisou usar fundos de pensão e financiamento público para pagar a maior parte do investimento. Apesar de ser a terceira maior hidrelétrica do mundo, ela seria a menos produtiva, gerando apenas 10% da sua capacidade no período da seca, de julho a outubro.

Os defensores da barragem justificam o projeto dizendo que ele irá suprir as demandas de energia do Brasil. Porém, uma fonte de energia muito maior, mais ecológica e barata está disponível: a eficiência energética. Um estudo do WWF demonstra que somente a eficiência poderia economizar o equivalente a 14 Belo Montes até 2020. Todos se beneficiariam de um planejamento genuinamente verde, ao invés de poucas empresas e empreiteiras. Porém, são as empreiteiras que contratam lobistas e tem força política – a não ser claro, que um número suficiente de nós da sociedade, nos dispormos a erguer nossas vozes e nos mobilizar.

A construção de Belo Monte pode começar ainda em fevereiro. O Ministro das Minas e Energia, Edson Lobão, diz que a próxima licença será aprovada em breve, portanto temos pouco tempo para parar Belo Monte antes que as escavadeiras comecem a trabalhar. Vamos desafiar a Dilma no seu primeiro mês na presidência, com um chamado ensurdecedor para ela fazer a coisa certa: parar Belo Monte, assine agora!!

Acreditamos em um Brasil do futuro, que trará progresso nas negociações climáticas e que irá unir países do norte e do sul, se tornando um mediador de bom senso e esperança na política global. Agora, esta esperança será depositada na Presidente Dilma. Vamos desafiá-la a rejeitar Belo Monte e buscar um caminho melhor. Nós a convidamos a honrar esta oportunidade, criando um futuro para todos nos, desde as tribos do Xingu às crianças dos centros urbanos, o qual todos nós podemos ter orgulho.

Com esperança

Ben, Graziela, Alice, Ricken, Rewan e toda a equipe da Avaaz

 

Fontes:

Belo Monte derruba presidente do Ibama:

http://colunas.epoca.globo.com/politico/2011/01/12/belo-monte-derruba-presidente-do-ibama/

Belo Monte será hidrelétrica menos produtiva e mais cara, dizem técnicos:

http://g1.globo.com/economia-e-negocios/noticia/2010/04/belo-monte-sera-hidreletrica-menos-produtiva-e-mais-cara-dizem-tecnicos.html

Vídeo sobre impacto de Belo Monte:

Uma discussão para nos iluminar:

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20101224/not_imp657702,0.php

Questão de tempo:

http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2011/01/13/questao-de-tempo-356318.asp

Dilma: desenvolvimento com preservação do meio ambiente é “missão sagrada”:

http://www.pernambuco.com/ultimas/nota.asp?materia=20110101161250&assunto=27&onde=Politica

Em nota, 56 entidades chamam concessão de Belo Monte de ‘sentença de morte do Xingu’:

http://oglobo.globo.com/economia/mat/2010/08/26/em-nota-56-entidades-chamam-concessao-de-belo-monte-de-sentenca-de-morte-do-xingu-917481377.asp

Marina Silva considera ‘graves’ as pressões sobre o Ibama:

http://www.estadao.com.br/noticias/economia,marina-silva-considera-graves-as-pressoes-sobre-o-ibama,475782,0.htm

Segurança energética, alternativas e visão do WWF-Brasil:

http://assets.wwfbr.panda.org/downloads/posicao_barragens_wwf_brasil.pdf


Cuidados com cães no verão.

Os cães atingem temperaturas elevadas mais rapidamente que os humanos.
E eles regulam a temperatura corporal através da respiração.

  • ÁGUA

Os cães precisam tomar mais água no verão. Deixe sempre uma vasilha com água fresca à disposição.

Durante os passeios leve sempre uma garrafa de água.

  • CAMINHADAS

Passear com o cão em dias quentes só nos horários em que o sol é mais ameno: no começo da manhã ou no final da tarde porque o cão se cansa mais rapidamente, além do chão quente machucar as patas e os raios solares causar queimaduras nas áreas mais sensíveis.

  • PROTETOR SOLAR

Passe nas áreas mais sensíveis (focinho e as pontas das orelhas) especialmente em cães de pelos curtos ou pele clara. Para evitar reações alérgicas, use protetores desenvolvidos para animais (encontrados em pet shop) .

  • SOMBRA

Se o cão fica no quintal, deve ter um local fresco e à sombra para descansar.

  • TOSA

Aproveite para tosar o cão no verão.

CÃES NA PRAIA

Muitas praias não permitem o acesso de cães. Siga a lei. Se for passear na calçada , recolha as fezes.

Se for permitido o acesso de cães na praia, além de recolher as fezes,  fique atento pois a água do mar pode causar alergias e no contato com a areia o cão pode pegar bicho-de-pé, pulgas e carrapatos…

A FALTA DOS CUIDADOS ACIMA PODEM PREDISPOR O CÃO A UM CHOQUE DE CALOR.

  • CHOQUE DE CALOR

Acontece quando o cão perde a sua capacidade natural de regular a temperatura corporal.

Temperaturas elevadas causam reações químicas que matam as células do corpo o que leva á desidratação e ao espessamento do sangue. Isto provoca uma pressão sobre o coração, causa coagulação sanguínea e posteriormente leva à morte dos tecidos.

O fígado, o cérebro e as células do intestino são os primeiros a serem afetados e isto pode ocorrer muito rapidamente.

Os cães regulam a temperatura corporal através da respiração. Cães que sofrem de alguma doença respiratória ou que os que são “braquicéfalos” (“cara amassada”: Shih Tzu, Bulldog, Boxer, Pug) tem uma maior predisposição de aquecerem mais rapidamente.

SINTOMAS DE CHOQUE DE CALOR

  • Respiração acelarada (hiperventilação)
  • Língua avermelhada
  • Gengivas secas e pálidas
  • Hipersiália (aumento da produção de saliva) – saliva espessa
  • Vomito – por vezes com sangue
  • Pulso rápido ou irregular
  • Depressão, Fraqueza, Tonturas, Diarréia, Convulsões, Coma.

CUIDADOS DE URGÊNCIA PARA SALVAR O CÃO

  • Aplique água na barriga, na face interna das coxas e nas almofadas das patas.
  • Molhe o cão com água corrente – em temperatura ambiente.
  • Não o mergulhe o cão totalmente na água – isto pode causar a diminuição brusca da temperatura e  levar a outros problemas.
  • Não use água gelada – isto vai causar uma vasoconstrição, o que aumenta o fluxo sanguíneo e retarda o arrefecimento.
  • Em seguida leve-o rapidamente a um Veterinário.

OUTRAS DICAS

  • Nunca deixe seu companheiro canino dentro do carro em dia de calor.
  • Não passeie sob sol ou enquanto o chão estiver quente.
  • Em casa, garanta que ele possa descansar em local fresco e à sombra.

OBS: Texto recebido por email.

Published in: on 16/01/2011 at 20:35  Comments (2)  

Nova Friburgo também pede auxílio para seus animais. Ajude também!!

Caros Protetores.

A tragédia em toda a região serrana do Rio de Janeiro está tomando proporções cada vez maiores, tanto para as pessoas quanto para os animais. O pânico está generalizado, os animais completamente desnorteados não são capazes de entender o que está acontecendo.

Os animais também são vítimas desta enorme catástrofe. Eles precisam de nossa ajuda!

A Coordenadoria do Bem Animal de Nova Friburgo, em parceria com a Ong Instituto Univida de Proteção Animal, está disponibilizando uma conta bancária (abaixo) e contatos para doações que serão revertidas integralmente para alimentação e todos os cuidados que forem necessários para o atendimento dos animais desabrigados e/ou em sofrimento.

Pensamos também em auxiliar todos os canis de Nova Friburgo após vistoria no local, para verificarmos suas necessidades e para melhor utilização das doações que serão exclusivamente usadas para minimizar o sofrimento dos animais. Prestaremos contas através da Internet.

TODOS JUNTOS PELOS ANIMAIS!!!

Carla Freire
Coordenadoria do Bem Estar Animal de Nova Friburgo

Para doações:

Instituto Univida de Proteção Animal http://www.univida.org.br/
Banco Itaú
Agência: 6542
Conta corrente: 06841-3

Contatos:
Adilson Pacheco (Presidente do Univida):
(22) 2533-4035 e 8801-2153

Carla Freire (Coordenadoria do Bem Estar Animal de Nova Friburgo)
(22) 2522-1356 e 9931-3313 – coobea.nf@gmail.com

Cristina Ribeiro (voluntária)
(22) 2528-3312 e 9942-9655

Texto recebido pelo InfoSentiens.

Published in: on 16/01/2011 at 20:19  Comments (6)  

O Terrorismo da Pobreza.

Por Marcelo Szpilman

As manchetes de hoje nos principais jornais do país, e do mundo, nos apresentam mais uma triste catástrofe. O número de mortos pelas enxurradas na Região Serrana do Rio de Janeiro não para de crescer e já passa de 360 (Friburgo com 168 vítimas, Teresópolis com 152 e Petrópolis com 36 vítimas).

Como ocorreu em Angra dos Reis e Niterói no ano passado, essa tragédia me fez lembrar de um artigo que escrevi em 2004 onde tratava de fatalidades e comentava uma excelente matéria de Okky de Souza, publicada na revista Veja (edição 1866 – agosto de 2004), onde ele descreve: “tragédias, causadas pelas forças da natureza ou pelo homem, acontecem em todo lugar. Na maioria das vezes, nem há como prevê-las. O incêndio paraguaio, no entanto, reforça um postulado amargo que vale para todo o planeta. As fatalidades que se abatem sobre os países menos desenvolvidos costumam produzir mais vítimas do que aquelas que ocorrem nas nações do Primeiro Mundo, pela falta de recursos para evitá-las ou pela falta de infraestrutura para minorar suas consequências ou simplesmente por aspectos culturais __ ignorância da população ou descaso das autoridades”. Para quem desconhece, o incêndio no supermercado em Assunção, capital do Paraguai, ocorrido no dia 1º de agosto de 2004, provocou 448 mortes e 200 feridos pela combinação de falta de manutenção, negligência e atitude criminosa.

Como Okky tão bem coloca, a tendência dos desastres de ceifar mais vidas humanas nos países atrasados do que nos ricos é uma realidade estatística. Em dezembro de 2003 um terremoto de 6,7 graus na escala Richter matou mais de 40 mil pessoas no Irã. Quatro dias antes, na Califórnia (EUA), um terremoto com a mesma intensidade matou apenas duas pessoas. Em 1997, nas Filipinas, uma enchente provocada por muita chuva matou mais de 200 pessoas. Em 2002, na Alemanha, a pior enchente dos últimos 150 anos no país matou 16 pessoas. Na Índia, em 1999, a batida entre dois trens deixou um saldo de 300 mortos. Na Inglaterra, em 2002, o descarrilhamento de um trem em alta velocidade que se chocou contra a plataforma da estação matou 6 pessoas.

Sempre ouvimos dizer que aqui não há terremotos, furações ou tsunamis, mas as nossas chuvas de verão, cada vez mais apocalípticas, têm ceifado centenas de vidas todos os anos. É uma simples coincidência ou há um padrão regular nessas fatalidades? Como escrevi no recente artigo “O que deu no tempo?”, devido ao aquecimento global e às mudanças climáticas, chuvas torrenciais, fora de época, estão desabando e castigando cidades em todos os cantos do Planeta. Agora mesmo, enchentes monumentais estão ocorrendo na Austrália e na Europa, mas a perda de vidas, quando há, não se compara com a nossa infeliz realidade.

Ainda que no atual desastre na Região Serrana do Rio tenha havido vítimas de classe média-alta, particularmente devido a um evento climático excepcional que inundou um vale com casas, pousadas e haras, a imensa maioria das vítimas, como sempre, é de pessoas pobres que vivem nas áreas de ocupação irregular.

Mais uma vez, constatamos o quão fatal pode ser a combinação de chuvas torrenciais com a degradação do meio ambiente, desmatamento e ocupação predatória das encostas. Nossos governantes precisam, com urgência, tomar a atitude corajosa que todo ano prometem, mas não cumprem, de remover as comunidades carentes das áreas de risco. E devem ir além. É preciso proibir, e fazer cumprir, o desmatamento e a construção nas encostas dos morros e montanhas e nas áreas próximas aos rios. Sem hipocrisia e sem populismo. Precisamos, mais do que nunca, de atitudes corajosas. As UPP’s do Rio estão aí para comprovar que mudanças de paradigma podem ser boas para todos.

Cabe a nós, da sociedade civil, passar de simples espectadores (e sofredores) da tragédia alheia para cobradores de ações concretas das autoridades executivas municipais, estaduais e federais. A responsabilidade sócio-ambiental, séria e comprometida, não pode ser só uma bonita e oportuna bandeira de campanha.

Instituto Ecológico Aqualung
E-mail:  instaqua@uol.com.br
Site: http://www.institutoaqualung.com.br

 

%d blogueiros gostam disto: