Biodecompositor simples e barato garante adubo para a horta e a lavoura.

Em Santa Catarina, um modelo de biodecompositor prático, barato, fácil de fazer e que ocupa pouco espaço tem chamado a atenção no campo e até na cidade. Nesse sistema, a compostagem é realizada dentro de uma bombona plástica tampada. “Todo o processo acontece em ambiente fechado, o que evita o mau cheiro e a propagação de parasitas e insetos”, explica Luciana Mees, extensionista da Epagri no Escritório Municipal de Ouro Verde.

Para construir o equipamento são usados uma bombona plástica de 200 litros com tampa rosqueável, a metade inferior de outra bombona, uma torneira com flange, um pedaço de cano e pedaços de sombrite. O biodecompositor custa cerca de R$ 75,00 se for necessário comprar todos os materiais.

A fabricação é simples. Com uma furadeira, são feitos vários furos no fundo da bombona inteira, como se fosse uma peneira. Em seguida, ela é encaixada dentro da outra metade. No fundo da bombona furada são colocados pedaços de sombrite. “O chorume, líquido que escorre do material orgânico, passa pelos furos da bombona inteira e fica armazenado no recipiente de baixo. O sombrite impede que o material entupa os furos”, explica a extensionista.

O passo seguinte é instalar uma torneira na parte inferior da meia bombona, que é por onde o chorume será retirado. Perto da tampa da bombona superior, instala-se um pedaço de cano por onde sairão os gases do processo de compostagem. Para evitar a entrada de insetos, é importante fixar um pedaço de tela na ponta do cano.

Os materiais orgânicos são colocados no biodecompositor, que deve ser mantido tampado. “O adubo está pronto quando está praticamente sem cheiro, com aparência de húmus. Ele deve ser incorporado à terra dos canteiros”, explica Luciana. Em cerca de 15 dias o chorume não é mais poluente e também pode ser usado na fertilização das plantas.

Merenda da horta

Na Escola Municipal Benvenutto Tacca, em Ouro Verde, 66 alunos do quarto e do quinto ano participaram da construção de dois biodecompositores durante as aulas de educação ambiental. Hoje eles usam os equipamentos para cuidar da horta onde são produzidos alimentos como alface, repolho, beterraba, temperos e chás para a merenda. “Os alunos veem na prática o que aprendem na sala de aula, se sentem motivados a fazer a sua parte e levam as ideias para casa”, conta a extensionista.

Mais informações:

Extensionista Luciana Mees
Telefone: (49) 3447-0007
E-mail: lucianas@epagri.sc.gov.br

Texto retirado do EAD SENAR.

Anúncios
Published in: on 16/01/2012 at 19:53  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://mariliaescobar.wordpress.com/2012/01/16/biodecompositor-simples-e-barato-garante-adubo-para-a-horta-e-a-lavoura/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: