Como plantar minimargaridas!

Variedades de margaridas estão mais comuns em floriculturas, bancas de flores e outros pontos de venda de plantas no varejo. De cores e tamanhos diversos, em vasos ou em cortes, agradam a todos na decoração de diferentes ambientes, seja em residências, escritórios ou espaços públicos. Entre as mais de 20 mil espécies de margaridas, o equivalente a mais de 10% das flores existentes no mundo, as miniaturas se destacam pela graciosidade do porte reduzido dos botões.

Pequenas e delicadas, as margaridinhas, como também são chamadas na versão mini da flor, têm miolo amarelo, cercado por pétalas de diversos tons. Semelhante aos exemplares convencionais, se adaptam a qualquer clima e se proliferam facilmente, mesmo em solos mais secos. No entanto, terrenos com bastante matéria orgânica, boa capacidade de drenagem e estrutura dão suporte para garantir uma planta anual.

O ano inteiro de cultivo ainda é possível quando as matrizes são mantidas sob iluminação especial, porém, essa alternativa exige instalações e mão de obra especializada. Dependendo da variedade, as minimargaridas podem atingir até1,2 metrode altura, em um ciclo de 13 semanas dentro de estufas.

Nas regiões Sul e Sudeste, as margaridinhas vegetam naturalmente no fim do verão e durante o outono, período em que os dias começam a ficar mais curtos e levam as plantas à floração. Fáceis de plantar, elas não precisam de desbaste de flores e galhos, pois a intenção do cultivo é mesmo obter uma grande quantidade de botões. Um plantio caseiro pode ser feito com base nas instruções das embalagens de sementes disponibilizadas pelos fabricantes.

Antigamente, as minimargaridas eram mais plantadas no campo, mas, ao longo dos anos, com a formação de vilas e cidades, as praças passaram a ser ornadas com espécies que poderiam ser cultivadas sistematicamente. Pertencente à família Compositae, as margaridas em miniatura possuem boa quantidade de pólen e néctar, atraindo muitos insetos polinizadores.

MÃOS À OBRA

INÍCIO: Embora não seja difícil plantar as minimargaridas, é bom seguir orientações de quem já tem experiência no cultivo. Em pequenas quantidades, as variedades mais baixas podem ser plantadas a partir de sementesem vasos. Uma opção também é utilizar mudas compradas prontas de viveiristas com referências para o plantio de exemplares mais altos. Evite, no entanto, as que crescem muito, pois a altura pode dificultar a sustentação da planta, que acaba necessitando de um suporte.

AMBIENTE: É necessário que o plantio ocorra em local com boa incidência de sol, até mesmo pleno durante todo o dia. Em regiões de clima subtropical, as minimargaridas costumam ficar dormentes durante o inverno. Se não forem protegidas em períodos de geadas, podem ser danificadas. Em estufas, o plantio deve contar com ventilação.

PLANTIO: As instruções para o plantio a partir de sementes estão, em geral, apresentadas pelos próprios fabricantes nas embalagens. No caso de mudas, indica-se o uso de sementeiras em local com luz e temperatura amenas. Para evitar competição entre mudas, coloque-as em sacos individuais. Após uma semana, são transplantadas para canteiros com um metro de largura. O local deve ter pouco vento e sol direto até o entardecer. Iluminação e regas constantes permitem o bom desenvolvimento das minimargaridas nos primeiros30 a 45 dias.

ADUBAÇÃO: Recomenda-se solo rico em matéria orgânica, com boa drenagem e adubação com fórmula 4-14-8 (N-P-K). A cada semana reponha quantidades de nitrogênio e potássio, caso ambas as substâncias não sejam fornecidas pelo esterco curtido utilizado. Encerre a adubação quando os botões estiverem bem formados.

CUIDADOS: Para o controle de pragas e doenças, é importante adotar medidas preventivas e que não agridam o meio ambiente. Contudo, certos ataques só podem ser combatidos com o uso de inseticidas. Coloque uma planta doente ou atacada em um saco plástico bem fechado e com jornal umedecido dentro. Leve o material para um agrônomo ou técnico da área analisar e identificar o produto adequado para aplicação. Também retire ervas daninhas e folhas manchadas da plantação e verifique se há necessidade de ventilação, devido à umidade em excesso próxima ao solo.

PRODUÇÃO: De sete a dez dias é o tempo que se leva para germinação, crescimento e transplante da muda para o campo. A partir daí, mais12 a 13 semanas são necessárias para se completar o ciclo da cultura. O surgimento de botões é visível a olho nu e o aparecimento de cores neles indica o desenvolvimento das hastes florais. A comercialização de plantas com botões fechados favorece as vendas no mercado, principalmente as que possuem tons mais comuns, como branco, amarelo, nuances de vermelho e misturas variadas.

RAIO X

SOLO: areno-argiloso, fértil, rico em matéria orgânica e bem drenado
CLIMA: quente e não tolera geadas
ÁREA MÍNIMA: pode ser cultivada em vasos
COLHEITA: de 50 a 60 dias após o plantio
CUSTO: o preço do envelope com dez gramas pode variar de R$ 2 a R$ 5
Onde comprar: mercado de flores de Ceasas, lojas de jardinagem, viveiros comerciais e floriculturas; ou pela internet, http://www.soflor.com.br e http://www.planetasemente.com.br

Mais informações:

Aproccamp (Associação dos Produtores e Comerciantes do Mercado de Flores de Campinas), tel. (19) 3746-1608.

Texto retirado do site EAD SENAR.

Anúncios
Published in: on 28/02/2012 at 22:21  Comments (1)  

Australiana fica três horas na lama tentando salvar cavalo preso.

Uma mulher ficou por trê horas na lama, tentando acalmar o cavalo que estava preso em uma praia em Melborne, na Austrália. Nicole Graham passou o tempo inteiro tentando manter a cabeça de Astro alta, para que ele não se afogasse.

O animal de quase 500 quilos corria o risco de se afogar, já que a água do mar estava chegando ao local onde ele estava preso. Astro estava passeando com Nicole e a filha dela, quando caiu na lama de repente. Antes que a australiana pudesse alertar a filha, o pequeno cavalo da menina também ficou parcialmente preso.

Nicole correu para ajudar a menina de 18 anos e o animal dela. Depois que levou os dois a um terreno firme, a australiana se arrastou na lama, para ajudar Astro. Mas todos os esforços livrar o animal daquela situação só o afundavam mais. Depois de três horas, uma equipe de resgate tirou o cavalo e Nicole da lama.

– Eu estava desesperada. Foi de cortar o coração, ver meu cavalo sofrendo e lutando para sair dali – disse a australiana, que possui mais de 10 cavalos e trabalha com odontologia equina.

De acordo com informações do jornal “Daily Mail”, Nicole passeia por aquele local há 20 anos e nunca havia percebido que era tão pantanoso, antes do sufoco que passou com Astro.

– Era como se fosse areia movediça. Eu fiquei tão aliviada quando vi os bombeiros chegando, porque estava começando a ficar muito cansada.

Para puxar o cavalo, a equipe de resgate precisou de um trator, emprestado em uma fazenda perto da praia, assim como uma equipe de veterinários cedida pelo agricultor. Um helicóptero também estava à disposição, como último recurso para tirar Astro da lama. O cavalo foi sedado, antes de ser içado pelo trator. O animal escapou da situação um pouco desidratado, mais ainda assim bem de saúde.

Texto retirado do site Extra.Globo.

OBS: Bibi, chorei! Não teve jeito… a atitude dessa mulher me fez acreditar que ainda existem pessoas boas nesse mundão! Obrigada por lembrar de mim e do blog.

Só uma informação: muito legal como a biologia e o amor aos animais contagiam, não é mesmo? Tenho demonstrações diversas de pessoas próximas.

Postando a matéria no blog, o Itaboray (grande amigo e ex professor) me enviou a mesma matéria, acreditando que eu gostaria. Obrigada, Itaboray!!

Marilia Escobar

Published in: on 28/02/2012 at 22:00  Comments (5)  

Workshop tem tema de primeira palestra o novo Código Florestal. Dia 05/03 em BH.

Para fazer a inscrição, clique aqui.

OBS: Para melhor visualização do banner, clique nele.

Published in: on 26/02/2012 at 22:18  Deixe um comentário  

2ª Mini Feira de Adoções CÃO PARTILHE dia 03/03 em BH. Participe e adote!!

OBS: Para melhor visualização do banner, clique nele.

Published in: on 25/02/2012 at 9:58  Comments (1)  

Por favor, diga NÃO a compra de animais!

Amigos,

Só aqui em BH, exitem aproximadamente 30 mil animais (entre cães e gatos) abandonados, jogados sem dó nem piedade nas ruas. Infelizmente, o fim de muitos deles é trágico. Isto depois de dias, meses ou até anos de sofrimento, sem comida, água, recebendo chutes, socos, pontapés, desnutrido, sofrendo atropelamentos, com inúmeras doenças e pegando chuva e sol intensos. Ou seja, todos os tipos de provações possíveis.

Mesmo vendo TODOS OS DIAS essas cenas terríveis, existem pessoas que teimam em comprar animais. E não pensem que em pet shop’s ou canis, os animais são tratados muito melhor. Em muitos deles, os bichanos são trancafiados em pequenas jaulas, mãezinhas são usadas em todos os cios para procriação e os filhotinhos que nascem com algum tipo de defeito, anomalia ou imperfeição, muitas vezes são cruelmente MORTOS.

Cito aqui somente alguns dos  problemas!

Comprar animais é financiar um crime pela vida.

Amigo não se compra, não é mesmo?

O vídeo abaixo, triste, mas verdadeiro, foi enviado pelo amigo PABLO SANDRELLI. Relata um pouquinho do que acontece nesses lugares. Vejam:

ADOTEM! 

Marilia Escobar

Published in: on 24/02/2012 at 23:00  Comments (1)  

Projeto de lei reconhece vaquejada como atividade esportiva.

Tramita na Câmara projeto que regulamenta a vaquejada como atividade esportiva. Pela proposta (Projeto de Lei 3024/11), do deputado Paulo Magalhães (PSD-BA), a atividade será regulada e remunerada nos termos da Lei 10,220/01, que regula a profissão de vaqueiro.

A legislação estabelece, por exemplo, que a empresa promotora de rodeios deve assinar contrato por escrito com o peão, com cláusulas como prazo de vigência – entre quatro dias e dois anos – e forma detalhada de remuneração.

A promotora do evento também é obrigada a contratar seguro de vida e de acidentes em favor do peão. A apólice deve compreender indenizações por morte ou invalidez permanente no valor mínimo de R$ 100 mil, a ser atualizado a cada doze meses com base na Taxa Referencial de Juros (TR). Deve-se prever ainda o pagamento de todas as despesas médicas e hospitalares causadas por acidentes de trabalho.

O projeto estabelece ainda cuidados com a proteção dos animais envolvidos na competição. De acordo com o texto, a proteção à saúde e à integridade física dos animais compreenderá todas as etapas do evento, inclusive o transporte do local de origem, a chegada, a acomodação, além de alimentação, trato, manejo e montaria, “observadas as devidas precauções”.

“Manifestação cultural”

O projeto considera a vaquejada um evento esportivo de competição, em duplas montadas, com o objetivo de dominar bovinos. Somente poderão ser usados animais liberados para a competição por atestado de veterinário, prossegue o texto. A proposta ainda detalha as características da pista e da competição, assim como a atuação do juiz.

O deputado Paulo Magalhães afirma que a vaquejada representa uma manifestação cultural legitimamente brasileira, que atrai público “fiel e apaixonado” e inúmeros atletas. “As cidades onde são promovidas transformam-se em destinos turísticos”, agrega.

Tramitação

O projeto, que tramita apensado ao PL 2086/11, será analisado pelas comissões de Turismo e Desporto; Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, será votado no Plenário.

Veja na íntegra a PL-2086/2011.

Texto retirado do site Câmara dos Deputados.

OBS: Pelo amorrrrrrrrrrrr de Deus, Gente… Não podemos deixar isto acontecer! Onde já se viu maus tratos virarem esporte?

No final da matéria acima, no site da Câmara dos Deputados, há uma enquete perguntando se você concorda ou não com esta proposta. Óbvio, cliquem em NÃO! Para acessar a matéria e VOTAR, clique aqui.

E você que ainda tem dúvidas sobre como funcionam os rodeios, vaquejadas, touradas, etc; que são uma verdadeira máquina de estress, exploração e sofrimento aos animais, veja a matéria sobre sua origem e prática clicando aqui.


O PRINCÍPIO É O MESMO, SOFRIMENTO AO ANIMAL!

Ahh, e abaixo segue uma foto da vaquejada e como podem ver, é muito menos estressante para o animal, certo? 

A JUDIAÇÃO É A MESMA!

Faça sua parte! Os animais precisam de você!

Marilia Escobar

Published in: on 24/02/2012 at 20:11  Comments (21)  

8ª Feira de Adoção Cães e Gatos dia 25/02 em BH.

Published in: on 24/02/2012 at 19:49  Deixe um comentário  

Palestra sobre “Neuroinflamação: Doenças neurodegenerativas e psicopatologias” em BH dia 01/03.

Dica recebida por email pela Prof. Karen Lissa.

Published in: on 24/02/2012 at 19:44  Deixe um comentário  

Duas feiras de adoção simultâneas dia 25/02 para você escolher.

OBS: Para melhor visualização dos folders, clique neles.

Published in: on 23/02/2012 at 18:49  Deixe um comentário  

Protetora lança livro em que relata histórias de amor e abandono de animais.

Estima-se que haja no mundo 250 milhões de cachorros domésticos. Destes, 32 milhões estão no Brasil, segundo país com maior população canina do planeta, ficando atrás apenas dos Estados Unidos (dados de 2010).

Em Belo Horizonte(MG), de acordo com dados do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Prefeitura Municipal, há 300 mil cães e 37 mil gatos. Destes, 10% estão nas ruas, propensos às doenças, maus-tratos, fome e, fatalmente, a morte (dados de 2010).

Em média, sete animais são recolhidos por dia pela CCZ na capital mineira. Entre os motivos mais frequentes que levam muitos tutores de cães a abandoná-los estão mudança da família para uma casa menor, perturbação causada pelos latidos, não ter onde deixá-lo nos períodos de férias e o desconhecimento do trabalho que dá criar um animal doméstico.

Nas páginas de um livro

Para chamar a atenção da população para esse problema que cresce a cada ano, e relatar uma história de amor com os animais, a empresária Rosângela Lage Moreira lançou em 2010, seu primeiro livro, Quem ama, não escolhe raça.

A obra retrata a realidade social do abandono de animais, principalmente os sem raça definida. Uma história comovente, baseada em fatos reais, de uma mulher empenhada em acolher e cuidar dos animais de rua abandonados. Essa mulher é Rosângela.

Na vida da empresária passaram inúmeros cachorros. Pelo carinho e amor que recebeu destes animais aprendeu a defender e valorizá-los. Hoje adora ser reconhecida como protetora dos animais e ser chamadas de ‘cachorreira’.

Ela enfatiza ainda a importância do estímulo de um animal de estimação na infância. Para ela, é nesta fase da vida que os conceitos e valores são construídos. “Os frutos colhidos deste exercício são os adultos conscientes e amorosos de hoje”, diz.

O amor e o respeito com o outro ser vivo é a lição que Rosângela deixa nas páginas de Quem ama, não escolhe raça. “Muitas vezes o remédio para sua dor pode não estar num frasco de vidro e sim ao seu lado abanando o rabinho”, acredita a ‘cachorreira’.

Sobre a autora

Rosângela Lage Moreira é empresária, formada em Contabilidade e Prótese.

LivroQuem ama, não escolhe raça, de Rosângela Lage Moreira

Local para compra: Espaço cultural Terraço Leitura (Leitura Pátio Megastore – Av. do Contorno, 6061 – 3º andar – Savassi, Belo Horizonte, MG)

Texto retirado do site ANDA, com adaptações.

OBS: Obrigada, Anacélia, por divulgar essa linda atitude de amor e entrega incondicionais à esses anjinhos. Somente um protetor poderia ser capaz de tamanha sensibilidade!

Marilia Escobar

Published in: on 21/02/2012 at 10:21  Comments (1)  
%d blogueiros gostam disto: