Descoberta de proteína mutante aumenta chance de se curar leucemia.

Esperança para crianças e adolescentes com um dos tipos mais agressivos da leucemia. A boa notícia vem do interior de São Paulo. Os pesquisadores descobriram uma célula que tem uma reação, a qual os pesquisadores querem conhecer, com isso, desenvolver remédios que funcionam melhor no tratamento.

Rafael tem 2 anos e meio. Está no fim do tratamento contra a leucemia mas os pais ainda não estão tranquilos. “Preocupa muito sobre o que vai ser do futuro. A gente sabe que hoje ele não é mais uma criança doente, mas não sabemos até quando”, diz Tatiana Costa, mãe do Rafael.

A segurança que ele precisa pode estar em um laboratório. Ao analisar o sangue de pacientes com leucemia do tipo linfóide aguda, pesquisadores do Centro Boldrini de Campinas descobriram a mutação de uma substância apontada como uma das causas da doença.

No corpo humano existem várias proteínas na superfície das células. Em pessoas saudáveis, uma delas, chamada IL7R, estimula o desenvolvimento de moléculas que ativam o núcleo das células, fundamentais para nosso desenvolvimento. A descoberta mostra que, na pessoa com leucemia, essa proteína transformada provoca a multiplicação desordenada das moléculas. “A gente encontrou uma mutação em um gene que causa hiperativação daquela célula. Ela fica proliferando e não para nunca”, explica José Andrés Yunes, pesquisador do Centro Boldrini.

A pesquisa levou cinco anos para ser concluída e envolveu estudos na Holanda, Portugal, Estados Unidos e Brasil. Cerca de 200 crianças foram analisadas. “Essa mutação por si só não é responsável pelo câncer, mas o que nós identificamos é que ela pode estar ajudando ao surgimento da leucemia”, afirma a bióloga Priscila Zenatti.

A leucemia do tipo linfóide aguda é a forma mais comum de câncer entre crianças. atingindo um terço dos pacientes. Com a descoberta dessa proteína mutante, vai ser possível monitorar o tratamento dos doentes de forma mais precisa, o que aumenta as chances de cura. “A longo prazo, nós estamos tentando desenvolver anticorpos que reconhecem especificamente células portadoras da mutação de forma a minimizar os efeitos colaterais causados pela quimioterapia que reconhece de forma generalizada tanto as células doentes quanto as células normais”, acrescenta a bióloga Priscila Zenatti.

Aos 16 anos, Rangel está curado de uma leucemia, mas a cada três meses retorna ao hospital para ter certeza do diagnóstico. Para a mãe, a pesquisa pode reduzir o sofrimento de outras famílias. “É uma esperança muito grande para quem vai passar o que eu já passei com meu filho”, diz a mãe de Rangel.

“A esperança é grande ferramenta que os pais que a criança e nós, médicos, temos para enfrentar a questão da leucemia”, afirma Silva Brandalise, diretora do Centro Boldrini.

A expectativa é que a descoberta ajude a criar um novo medicamento para a doença em até cinco anos.

Texto retirado do site G1.

Fígado define o vício de cafeína.

Estudo do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos revela que a dependência da cafeína está mais vinculada ao fígado e à capacidade do órgão para processar a substância do que ao efeito que o consumo da substância provoca no cérebro. “Talvez as pessoas pensem que tomam cafeína para se sentir bem, ou para não se sentir mal, ma a verdade é que o nível de consumo é determinado pela rapidez com que o fígado decompõe a cafeína”, disse o pesquisador Neil Caporaso.

Texto retirado do jornal O Tempo.

Published in: on 09/04/2011 at 11:30  Deixe um comentário  

Cientistas chilenos desenvolvem vacina contra alcoolismo.

Cientistas da Universidade do Chile trabalham no desenvolvimento da primeira vacina contra o alcoolismo, baseada em uma mutação genética presente em 20% da população asiática, divulgou o médico coordenador do projeto, Juan Asenjo.

Essa parte da população da Ásia sofre consequências tão severas ao consumir álcool que isto inibe seu vício, explicou Asenjo, médico da universidade e chefe dos pesquisadores, porque não possui um gene que produz a enzina “aldeído desidrogenase”, que metaboliza o álcool no organismo. Sem essa enzima, ao beber “ocorre uma reação tão forte que as pessoas não tomam o álcool”, explicou.

A vacina consiste em induzir a mutação nas células do fígado através de um vírus que transmite esta informação genética. Atua sob o mesmo princípio sobre o qual são elaborados os parches e remédios utilizados para controlar o vício em álcool, mas sua eficácia seria maior porque, diferentemente das fórmulas anteriores, não depende da vontade imediata do paciente e tem menos efeitos colaterais.

A vacina, portanto, aumentaria os enjoos, a sensação de náusea e a vasodilatação nos viciados. “Com a vacina, a vontade de beber será muito pequena devido às reações que terá”, disse o médico.

O princípio já foi testado com sucesso em ratos alcoólatras, nos quais o consumo do álcool diminuiu em 50%. “A ideia é que nos seres humanos o consumo de álcool diminua entre 90% e 95%”, acrescentou Asenjo.

“A vacina é específica para as células do fígado. Os emplastros (parches) afetam todas as células e têm muitos efeitos colaterais”, explicou Asenjo.

Após demonstrar seu princípio ativo, os cientistas trabalham agora para cultivar as células necessárias para produzir o vírus em reatores e em grandes quantidades. Depois vem a fase de otimizar a produção, purificar o vírus e a aprovação por parte de diferentes comitês de ética e institutos de saúde pública.

“Durante este ano será feita a produção em grande escala e depois serão realizados testes pré-químicos em animais para determinar a dose. Posteriormente, em 2012, serão realizados testes químicos na fase 1 em humanos”, explicou Asanjo.

Se os resultados em humanos forem bem-sucedidos, bastaria que o paciente tomasse a vacima uma vez por mês para começar a sentir os sintomas por um período prolongado, o que desestimularia o vício.

O alcoolismo é o principal fator de risco de doenças entre os chilenos e gera acidentes de trânsito, cirrose e depressões, que são as principais causas de morte no Chile, segundo um estudo oficial divulgado em setembro de 2008.

Texto retirado do site Terra.

Published in: on 21/02/2011 at 22:09  Comments (2)  

Suplemento alimentar pode aliviar sintomas da TPM, diz estudo.

O fim da tensão pré-menstrual (TPM) pode estar mais próximo. Um estudo feito pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) renova a esperança de quem convive com o problema. Segundo os pesquisadores, ingerir uma cápsula de ácidos graxos por dia é capaz de reduzir em mais da metade os sintomas.

Os ácidos graxos são um tipo de gordura essencial para o organismo, mas não são produzidos pelo corpo humano. Estão presentes em quantidade reduzida em alimentos como peixes, óleos de linhaça, de fígado e de bacalhau. Por isso, alguns médicos os recomendam em forma de suplemento na dieta.

Participaram do estudo 120 mulheres entre 17 e 37 anos diagnosticadas com o problema. Elas foram acompanhadas durante oito meses: dois antes do início do tratamento e seis durante a ingestão das cápsulas. Um grupo recebeu uma pílula com 1 grama de ácidos graxos, outro recebeu 2 gramas e o terceiro tomou placebo. Além disso, diariamente as voluntárias preenchiam uma escala de marcadores para descrever a intensidade dos sintomas.

Ao final do período, todos os grupos tiveram melhora, sem apresentar alteração nos níveis de colesterol: o primeiro grupo afirmou ter reduzido os sintomas em 64%, o segundo grupo em 74% e o terceiro, em 16%. “Os primeiros sinais de melhora surgiram depois de três meses e não houve relato de efeitos colaterais”, afirmou Edilberto Rocha Filho, autor do estudo e médico-assistente do Departamento de Ginecologia da UFPE. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.

Texto retirado do site G1.

Published in: on 30/01/2011 at 21:46  Comments (2)  
%d blogueiros gostam disto: