Site ajuda turistas a escolher destinos que não exploram animais.

paisagem

Instituições de bem-estar animal, biólogos e profissionais de diversas áreas se uniram para criar o www.RIGHT-tourism.org– um site para ajudar a evitar que turistas contribuam com o sofrimento animal durante as viagens. O site essencialmente “animal-friendly” foi desenvolvido pela Care for the Wild International, uma organização de proteção à vida selvagem, em associação com a Humane Society International, com a League Against Cruel Sports e a The Broke. As informações são da League.org.

O RIGHT-tourism.org permite que os turistas busquem informações factuais de qualquer país do mundo no que diz respeito a questões relacionadas à exploração de animais no turismo.

Philip Mansbridge, presidente da Care for the Wild International, explica o objetivo do site: “O RIGHT-tourism.org ajuda os turistas a fazerem escolhas sensatas pois provê informações – muitas das quais estão ocultas por trás das fachadas de atrações que incluem animais, festivais ou eventos esportivos. Tristemente, muitos turistas acabam encorajando de maneira equivocada os maus-tratos a animais pois eles não conseguem visualizar esse aspecto ao escolher um destino. A grande sacada do site é que ele não diz para fazer ou para não fazer algo; ele apenas ajuda a fazer escolhas com as quais você se sente confortável. O RIGHT-tourism é uma ferramenta para ajudar a realizar turismo responsável, humanitário e livre de culpa”.

O diretor executivo da The League, Joe Duckworth, acrescenta: “O projeto RIGHT-tourism é uma iniciativa global e fantástica, e nos sentimos agraciados por estarmos envolvidos nele. A The League apóia plenamente a promoção da viagem ética e acredita que esta é uma perfeita plataforma para educar turistas sobre algumas das horríveis crueldades que acontecem em nome da tradição como, por exemplo, o Pamplona Bull Run, o Calgary Stampede e o El Tora de la Vega, para citar apenas alguns”.

A expectativa coletiva das organizações que conduzem o site é fazê-lo se tornar parte do checklist de viagem de todos os que se preocupam com os direitos animais no mundo todo.

“O projeto tem potencial para crescer, e todos nós estamos empolgados com a real diferença que cada turista, e cada um de nós enquanto turistas, pode fazer pelo simples fato de ter informação”, complementa Philip.

O site apresenta, de maneira muito organizada, informações sobre as grandes questões de exploração animal para entretenimento humano no momento, como também tem depoimentos de voluntários, dicas para engajamento no assunto pelas redes sociais, e está sempre com notícias atualizadas.

Texto retirado do site Anda News.

IV Simpósio Brasileiro de Genética Molecular de Plantas.

Sem título

O IV Simpósio Brasileiro de Genética Molecular de Plantas entre os dias 08 e 13 de abril de 2013, em Bento Gonçalves (RS).

O evento irá destacar os avanços recentes na pesquisa em genética molecular vegetal, promover interações entre cientistas brasileiros e líderes mundiais na área, e proporcionar oportunidades para que pesquisadores mais experientes estabeleçam contatos com jovens cientistas, recém-doutores e estudantes,

Serão ao todo 06 conferências e 13 simpósios que abordarão diferentes temas da genética molecular de plantas. A submissão de trabalhos poderá ser feita até o dia 05 de fevereiro, mesma data limite das inscrições com desconto.

Mais informações: http://www.sbg.org.br/IV_SBGMP/index.html .

Texto recebido por email pelo CRBio 04.

SENAR/SC ajuda detentos a produzir mudas florestais nativas.

Doze detentos do regime semi-aberto, da Penitenciária Agrícola de Chapecó participaram, nesta semana, do treinamento de produção de mudas florestais nativas. A atividade é resultado de uma parceria entre o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/SC), órgão vinculado à Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina – FAESC,  e a Secretaria de Planejamento e a Secretaria de Justiça Social e Cidadania do Estado.

02_2

Nas 24 horas/aulas, o instrutor Volmir Carlos Oliveira, abordou os conteúdos segurança e saúde no trabalho; cuidados com o meio ambiente; identificação de espécies nativas; demarcação de matrizes arbóreas; coleta e beneficiamento de sementes; desenvolvimento das mudas e controle fitossanitário; preparação do solo, substrato ou espuma fenólica; plantio/semeadura; tratos culturais, controle de irrigação e fertirrigação; seleção e expedição de mudas; tipos de viveiros e custos para a implantação e mercado.

Oliveira destaca que a aplicação das técnicas repassadas aos detentos possibilita a produção de grande quantidade de mudas a baixo custo. Durante o treinamento, foram produzidas mais de 300 mudas de árvores nativa, entre elas mudas de goiabeiras, aroeiras e espinheiras santas.

Entre os participantes do treinamento, o detento Antonio Barbosa, que hoje desenvolve atividades laborais na horta da Penitenciária e está perto de concluir a pena, viu no curso uma possibilidade de aprender uma profissão, adquirir novos conhecimentos. “Vou sair daqui com a cabeça erguida, preparado para trabalhar e disposto a reconstruir a vida”, afirma.

O supervisor regional Oeste do Senar, Helder Barbosa, lembrou que existe demanda significativa por esse tipo de mudas e há dificuldade de encontrar profissionais que desenvolvam esse tipo de trabalho. O gerente de atividades laborais da Penitenciaria Agrícola, Earle Serrano, explica que foram selecionados para participar, detentos que apresentam bom comportamento.

Em Chapecó, o projeto conta com apoio na organização e logística do Sindicato Rural e da Penitenciária Agrícola. Neste ano ainda deverão ocorrer capacitações de novas turmas de detentos no município. Entre os dias 4 e 6 de fevereiro o mesmo treinamento ocorrerá na Penitenciária Agrícola da Regional de Curitibanos em São Cristóvão do Sul.

Texto retirado do site Canal do Produtor.

Curso de Campo Ecologia e Conservação da Mata Atlântica.

mata-atlantica-ambiente

O curso “Ecologia e Conservação da Mata Atlântica” é um curso de campo oferecido durante a Expedição Mata Atlântica. São onze dias viajando por Unidades de Conservação e outras Áreas Naturais Protegidas particulares, municipais, estaduais e federais, além de instituições de pesquisas do Paraná. Além de visitas técnicas, são ministradas aulas e palestras, muito bate papo e discussão sobre ecologia e conservação.

São oferecidas 20 vagas para brasileiros e estrangeiros, interessados em conhecer melhor a Mata Atlântica e questões relacionadas à sua conservação, inclusive sobre o planejamento e o manejo de Áreas Naturais Protegidas. Também são abordados temas relacionados à história, cultura, populações tradicionais, turismo de base comunitária e sustentabilidade.

O curso será realizado de 17 a 28 de janeiro de 2013. As inscrições devem ser feitas até o dia 10 de janeiro de 2013.

Mais informações: www.grupobrasilverde.org.br . 

Texto recebido por email pelo CRBio 04.

Curso “Novo Código Florestal Aplicado” em Viçosa/ MG.


DATA: 07/07/2012
LOCAL: CEE – UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA – VIÇOSA-MG
HORÁRIO: DAS 08:00 AS 12:00 E DAS 13:00 AS 17:00

Clique Aqui para fazer sua inscrição.

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL APLICADO

Ementa do curso

O curso, com a duração de oito horas, irá abordar os principais tópicos do Novo Código Florestal, em uma comparação com o tratamento legislativo anterior, proporcionando ao inscrito o entendimento das alterações e dos novos conceitos trazidos. Para tal, a visão jurídica será acompanhada das perspectivas prática e histórica, permitindo que profissionais das mais diversas áreas observem o tema em seus diferentes aspectos: sociais, econômicos, culturais, jurídicos, políticos e ecológicos.

Ministrantes

. Sebastião Renato Valverde: Professor efetivo da Universidade Federal de Viçosa (Depto. de Engenharia Florestal).
. Lucas Azevedo de Carvalho: Advogado, pós graduando em Direito Ambiental pela PUC-BH.

Programa

1) Perspectiva histórica:
1.1. A evolução da legislação florestal brasileira
1.2. Projeto de Lei 1876/99
2) O Novo Código Florestal
2.1. Disposições transitórias e permanentes
2.1.1. Uso consolidado
2.1.2. Anistia
2.2. Medida provisória 571/12
2.3. As áreas de Preservação Permanente
2.4. As áreas de uso restrito
2.5. A Reserva Legal
2.6. Áreas verdes urbanas
2.7. Supressão da vegetação para uso alternativo do solo
2.8. Exploração florestal e transporte de produtos florestais
2.9. Cota de Reserva Ambiental
2.10. Agricultura familiar
Perspectivas: Possíveis consequências sociais, econômicas e ecológicas da nova legislação.

Dica recebida por email.

Venda de produtos orgânicos supera modismo e cresce forte.

O mercado e a demanda estão em alta na área de produtos orgânicos e sustentáveis, embora o volume de produção ainda seja pequeno. A Associação Brasileira de Orgânicos Biologicamente Sustentáveis (BrasilBio) estima que, em 2011, o setor tenha movimentado 500 milhões de reais no País. Apesar do crescimento acelerado, o valor é considerado baixo para o potencial brasileiro. A previsão da BrasilBio é que este mercado crescerá de 30% a 40% em 2012, repetindo o bom desempenho de 2011.

O desafio agora é integrar a cadeia produtiva e processadora para acelerar também o atendimento da demanda. Segundo o presidente da BrasilBio, José Alexandre Ribeiro, a entidade corre contra o tempo “para credenciar produtores e incentivar setores da economia a garantir o registro orgânico”.

A previsão de crescimento não está focada somente nos produtos agrícolas, mas também nos produtos industrializados (processados) com bases orgânicas. Nas primeiras feiras realizadas pela BrasilBio, no início da década passada, praticamente toda a área de exposição era tomada por alimentos orgânicos in natura. Na última edição da feira, 70% a 80% já eram produtos processados.

Empresas em expansão 

Para o empresário Marcos Wettreich, do site de comércio online sustentável Greenvana, o mercado ainda depende do aumento do número de consumidores desse tipo de produtos para ganhar escala. De acordo com ele, “a massa crítica deste tipo de mercado precisa crescer”. Os consumidores precisam ser mais bem informados sobre o que são os produtos sustentáveis e orgânicos.

A Greenvana é uma loja virtual de produtos sustentáveis que vende produtos próprios, além de artigos nacionais e importados de segmentos como casa, bebê, beleza, moda e pets. “Sustentabilidade é uma tendência de mercado e também uma necessidade”, afirma ele.

Com faturamento médio mensal de R$ 110 mil, as franquias Mundo Verde somam 199 lojas no Brasil e em Portugal, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF). A marca, criada em 1987 na cidade de Petrópolis (RJ), abriu 32 lojas em 2011 e espera abrir outras 45 em 2012. A expectativa é atingir 450 lojas até 2015 – “todas franqueadas”, afirma Donato Ramos, diretor de Marketing da empresa.

A Mundo Verde conta com 1.200 fornecedores em todo o Brasil – e dá preferência para os locais – sendo que as vendas têm crescido 20% ao ano.

Assim como Wettreich, Ramos ressalta que existem barreiras para um maior crescimento nesse setor. Preço alto e falta de conhecimento do diferencial dos produtos orgânicos e sustentáveis são as duas principais dificuldades que as lojas encontram, segundo ele.

Fábio Beltrão, sócio-diretor da área de Inteligência de Mercado da consultoria GS&MD – Gouvêa de Souza, afirma que o fortalecimento do mercado desses produtos é uma tendência irreversível. Mas afirma que, além de preços altos e falta de informação, outra barreira para o crescimento do setor é produção ainda escassa. “Faltam incentivos e a distribuição é falha”, afirma o executivo.

Em pesquisa realizada em 2010, a GS&MD apurou que o consumidor brasileiro pagaria até 8% a mais para ter um produto sustentável no seu carrinho do mercado – a média mundial é 7,6%. Porém, Beltrão acredita que o brasileiro acabará optando por produtos de preço mais baixo. “O mercado deverá se ajustar ao desejo do consumidor”, diz.

Segundo Alexandre Borges, sócio e presidente da Mãe Terra, dois problemas precisam ser vencidos para que o setor deslanche. Em primeiro lugar, é preciso convencer o consumidor de que sabor e saúde são compatíveis. “Para isso, basta desafiar o preconceito e experimentar os produtos disponíveis nos pontos de venda”, afirma Borges.

O segundo problema, segundo ele, é que o próprio mercado não está adequado para produzir alimentos naturais. “A indústria de ingredientes, por exemplo, se acostumou a desenvolver elementos artificiais. Voltar aos tempos dos nossos avós, que consumiam tudo fresquinho e com qualidade, é muito difícil. É preciso achar um meio termo”, diz ele.

Texto retirado do site SENAR.

Published in: on 24/03/2012 at 21:47  Deixe um comentário  

Curso “Fertilização in vitro e manutenção de embriões” em BH.

LOCAL: Faculdade Pitágoras. Rua Timbiras, 1375 BH/MG

VALOR: R$250,00

PROGRAMAÇÃO: 14 DE ABRIL DE 2012

Manhã- Conteúdo teórico

09:00 – 10:00 Técnicas de Laboratório em Reprodução Assistida (RA)

10:00 – 10:40 Fertilização in vitro (FIV)

10:40 – 11:00 Coffee Break

11:00 – 12:00 Organização de um laboratório de FIV

12:00 – 13:00 Criopreservação de gametas e embriões

13:00 – 14:00 Almoço

Tarde – Conteúdo prático

14:00 – 15:00 Prática: Preparação dos meios de cultura /Confecção de placas

15:00 – 16:15 Prática: Técnicas de manipulação de embriões – Fertilização in vitro (FIV) convencional

16:15 – 16:30 Coffee Break

16:30 – 17:30 Prática: Transferência de embriões (preenchimento de cateter)

17:30 – 18:00 Encerramento e entrega de certificado

Published in: on 11/03/2012 at 0:29  Comments (4)  

Workshop tem tema de primeira palestra o novo Código Florestal. Dia 05/03 em BH.

Para fazer a inscrição, clique aqui.

OBS: Para melhor visualização do banner, clique nele.

Published in: on 26/02/2012 at 22:18  Deixe um comentário  

O caminho para produção sustentável: Plano ABC e o Programa ABC.

O diretor do Departamento de Sistemas de Produção e Sustentabilidade do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Carlos Magno Brandão, explica nessa rápida entrevista o que é o Plano ABC e o Programa ABC e as vantagens que os produtores rurais terão com a adesão ao programa de agricultura de baixo carbono. Segundo Brandão, os produtores rurais poderão obter futuramente outra fonte de renda com o mercado de crédito de carbono no Brasil, “o que certamente acontecerá”.

Qual a importância do Programa ABC para o Brasil? 

O Brasil precisa do Programa ABC para cumprir compromissos internacionais, assumidos em Copenhague, de reduzir a emissão de carbono. O Programa ABC é pioneiro na busca por uma agricultura de baixo carbono em grande escala. Além disso, a disseminação desse programa proporcionará o aumento da produção de grãos, de carnes, de leite e de madeira, com as tecnologias que serão utilizadas, sem desmatar nenhum hectare. O objetivo é pegar áreas de pastagens degradadas, recuperar essas áreas com as tecnologias existentes e torná-las produtivas.

Explique o que é o Plano ABC e o Programa ABC: 

O Plano ABC é um plano setorial para a agricultura que tem como objetivo a mitigação do efeito dos gases do efeito estufa (GEE) e a redução da emissão desses gases com a aplicação das tecnologias desenvolvidas pela Embrapa e pelas universidades brasileiras nas propriedades rurais brasileiras. Já o Programa ABC é a linha de crédito que permitirá aos produtores implementar essas tecnologias previstas no Plano ABC.

Quem pode pleitear os recursos do Programa ABC?

Qualquer produtor brasileiro que esteja disposto a melhorar sua atividade no que diz respeito à qualidade e à produtividade. Ele deve procurar um técnico da extensão rural — quando falo extensão rural pode ser tanto de empresas estaduais, como a Emater, como também técnicos de cooperativas ou de empresas privadas especializadas nesse tipo de assistência técnica. O técnico deve ir à propriedade para fazer um diagnóstico e, a partir daí, elaborar um projeto que proponha alternativas que contribuam para melhorar o sistema de produção. Esse projeto deve ser encaminhado a um agente financeiro, pode ser do Banco do Brasil ou de outros bancos que operam os recursos do Programa ABC, que avaliará se o projeto está de acordo com os requisitos de financiamento do programa. Sendo o projeto aprovado, o produtor rural receberá o dinheiro para implementar a ação proposta no projeto. É muito importante que tenha um acompanhamento técnico na implantação porque as tecnologias trazem resultados, desde que bem utilizadas.

Quais as vantagens dos produtores rurais ao aderir ao programa? 

A primeira vantagem é que o produtor rural vai ter a oportunidade de acessar uma linha de crédito que há muito tempo ele não tinha, com taxa de juros bem abaixo das praticadas no mercado, de 5,5%, prazos de carências compatíveis com o tipo de atividade desenvolvida, assim como prazos para pagamento de acordo com o tipo de tecnologia utilizada. Em segundo lugar, é a oportunidade do agricultor melhorar a sua propriedade no que diz respeito à conservação do solo e à recuperação de áreas degradadas que antes estavam paradas e que poderão ser novamente utilizadas. Como conseqüência, o produtor terá um aumento da renda que é o que mais importa para ele. Além disso, pensando no futuro, essas práticas sustentáveis poderão trazer outra fonte de renda aos produtores no momento em que estiver estruturado o mercado de crédito de carbono no Brasil. Isso certamente acontecerá. O Plano ABC prevê a implantação de um laboratório virtual para fazer o monitoramento dessas ações sustentáveis e medir o quanto reduzimos a emissão de GEE. Dessa forma, será possível criar um mercado de crédito de carbono.

Acompanhe mais notícias sobre os Seminários do Guia de Financiamento da Agricultura de Baixo Carbono no Blog www.canaldoprodutor.com.br/agriculturabaixocarbono .

Texto retirado do Blog Canal do Agricultor.

Published in: on 19/02/2012 at 21:33  Deixe um comentário  

Curso de Campo Ecologia e Conservação da Mata Atlântica em Paraná.

 O curso de Campo Ecologia e Conservação da Mata Atlântica é oferecido pela ONG Grupo Brasil Verde (GBV), através do seu centro de capacitação técnica em conservação da natureza, pela Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão Diaulas Abreu, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais – Campus Barbacena (FAPE/IF Sudeste MG) e pelo Grupo de Pesquisa em Planejamento e Gestão de Áreas Naturais Protegidas do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais (GAP).

As aulas acontecerão entre os dias 19 e 30 de janeiro de 2011.

O curso é oferecido durante a Expedição Mata Atlântica. São onze dias viajando por Unidades de Conservação e outras áreas naturais protegidas particulares, municipais, estaduais e federais, além de instituições de pesquisas do Paraná. Além de visitas técnicas, são ministradas aulas e palestras, além de muito bate papo e discussão sobre ecologia e conservação.

Mais informações: www.grupobrasilverde.org .

Texto recebido pelo CRBio 04.

Published in: on 07/01/2012 at 20:32  Deixe um comentário  
%d blogueiros gostam disto: